Um alto membro do Episcopado italiano, monsenhor Giuseppe Betori, lançou nesta quarta-feira um virulento ataque contra os “novos inimigos” da Igreja, a quem acusou de dar “cobertura legal ao crime do aborto” e de negar a diferença entre os sexos.

Estes “novos inimigos (…) fazem do embrião, o ser-humano mais frágil, um material para as experiências médicas; dão cobertura legal ao crime do aborto e se dispõem a fazer o mesmo com as práticas da eutanásia”, declarou Betori, secretário-geral da Conferência Episcopal italiana, durante uma missa em Gubbio, em Umbria (centro).

Betori acusou também aqueles que “ocultam a verdade sobre a existência de dois sexos em nome de uma improvável liberdade de autodeterminação” e os que “querem destruir a natureza da família fundada sobre o casamento entre um homem e uma mulher”.

Essas declarações foram proferidas quatro dias depois de uma manifestação sem precedentes de um milhão de católicos, segundo os organizadores, 250.000, segundo as autoridades, para defender a família tradicional e se opor ao reconhecimento das uniões de fato na Itália.

Giuseppe Betori acusou o “niilismo e o relativismo” de fazerem parte dos “novos inimigos” e os comparou às tropas do imperador alemão Federico I ‘Barba Ruiva’ (1122-1190), que no século XII atacou a cidade de Gubbio, na época uma cidadela católica.

Fonte: AFP