Obra da exposição 'Queermuseu' acusada de pedofilia
Obra da exposição 'Queermuseu' acusada de pedofilia

Após um pedido do prefeito Marcelo Crivella, o Museu de Arte do Rio decidiu não trazer a mostra Queermuseu para a cidade. No comunicado oficial, o MAR disse lamentar “o modo como este debate tem sido inflamado por intensas polêmicas, que levaram a Prefeitura do Rio de Janeiro, por ser este um museu de sua rede municipal de equipamentos culturais, a solicitar a não realização de Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira no MAR”.

A Secretaria Municipal de Cultura declarou que a vinda da exposição não foi concretizada por decisão do prefeito e, que por ser apenas de cunho consultivo, o Conselho Municipal do Museu de Arte do Rio (Conmar) não poderia contrariar a decisão do executivo municipal. Ressaltando a divergência de opiniões, o Conmar se declarou “favorável à realização da exposição Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira, bem como a de qualquer outra atividade que contribua para o exercício da arte como fundamento de nosso processo civilizatório”.

O conselho responsável por decidir a agenda do MAR é composto por nove membros, sendo dois deles ligados à Secretaria Municipal de Cultura (SMC). Até o mês passado, o Conmar tinha apenas uma integrante ligada à SMC, a secretária municipal de Cultura, Nilcemar Nogueira. Entretanto, um decreto publicado pelo prefeito Marcelo Crivella alterou a composição do grupo. No último domingo (1º), Crivella também se posicionou sobre a vinda da Queermuseu para a cidade. No vídeo, ele diz que a exposição só seria exibida “no fundo do mar. Por que no Museu de Arte do Rio, não”.

A mostra Queermuseu foi patrocinada pelo Banco Santander, em Porto Alegre. Após os protestos alegando que se tratava de “conteúdo obsceno e blasfemo”, a instituição cancelou a exibição.

Fonte: Pleno News