Dois arcebispos foram apontados como os responsáveis por um rombo de 800 milhões de euros na diocese de Maribor, na Eslovênia.

O papa Francisco aceitou nesta quarta-feira, dia 31, a renúncia do arcebispo de Liubliana, Anton Stres, e do arcebispo de Maribor, Marjan Turnsek, após os dois serem apontados como os responsáveis por um rombo de 800 milhões de euros na diocese de Maribor, na Eslovênia.

De acordo com a imprensa eslovena, o próprio Papa teria pedido que os religiosos renunciassem ao cargo, evocando o cânone 401 do código de direito canônico, que determina “causas graves”.

Através de um comunicado, a Santa Sé confirmou a renúncia dos dois arcebispos. Após a notícia, a Igreja Católica da Eslovênia trocou a direção da Conferência Episcopal Eslovena (CES). O novo presidente da entidade será o monsenhor Andrej Glavan.

O jornal italiano L’Espresso já havia publicado que a diocese de Maribor sofria um rombo equivalente a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) da Eslovênia.

O escândalo teria sido descoberto em 2007, por casualidade, quando uma emissora de televisão católica começou a transmitir programas com conteúdo sexual. Alarmado, o Vaticano enviou à Eslovênia o especialista Gianluca Piredda para conferir a situação econômica das dioceses do país.

A má gestão dos recursos de Maribor estaria relacionada a investimentos de alto risco e participação na criação de empresas.

[b]Fonte: Ansa[/b]