Teólogos e teólogas batistas de oito países, incluindo reitores de seminários da Colômbia, Costa Rica e México, reuniram-se, dias 12 a 16 de outubro, no Centro Martin Luther King, em Havana, para reafirmar a convicção comum de que “a vida no Espírito e a vida no mundo estão intimamente conectados”, segundo palavras do reitor Jonathan Pimentel, de San José.

Para o professor de História da Igreja e diretor da Cátedra Batista no Seminário Evangélico de Matanzas, Francisco Rodés, é significativo que o encontro seja realizado no Centro Martin Luther King. “De modo mais eloqüente do que nenhum outro batista, o Dr. King foi claro ao afirmar que a pregação do Evangelho de Cristo e a busca da justiça econômica e os direitos humanos não podem se separar”.

Este segundo encontro (o primeiro ocorreu na Costa Rica, em 1986), de 38 professores e pastores do Caribe e da América Latina, incluiu programa de adoração, música, estudo bíblico e conferências teológicas focadas numa variedade de temas.

“A teologia deve ser reencantada pela poesia”, disse o professor universitário Jerjes Ruiz, de Manágua. Ele explorou os temas teológicos na poesia do nicaragüense Rubén Darío e comparou-a com a poesia de prisão de Dietrich Bonhoeffer. O professor do Seminário de Princeton, Estados Unidos, Luis Rivera Pagán, examinou a obra de vários novelistas latino-americanos.

A sentida ausência de Harold Segura, diretor regional de Visão Mundial Internacional, pôs em evidência a conexão da teologia com a história, já que este teólogo viu-se impedido de participar do encontro por sua responsabilidade na mediação do conflito entre mineiros na Bolívia. Na sua ausência, discutiu-se em grupos a conferência que pretendia ministrar no evento e que tratava a respeito da espiritualidade do seguidor de Jesus dentro da diversidade dos diferentes contextos culturais.

A teóloga mexicana, Rebeca Montemayor, falou da crescente consciência de gênero como fator crítico na reflexão teológica do México. Montemayor sublinhou o fato de que cerca da metade dos participantes na conferência eram mulheres, “algo que jamais ocorreria anos atrás”.

O diretor e fundador do Centro Martin Luther King, reverendo Raúl Suárez, destacou que a maioria dos participantes não superava os 40 anos de idade. Suárez é pastor emérito da Igreja Ebenezer, de Havana, e foi eleito membro do Parlamento cubano.

O crescimento explosivo das igrejas neopentecostais e carismáticas na América Latina foi mencionado várias vezes na Conferência. “Esta realidade é tanto um perigo como uma oportunidade”, disse o presidente da Fundação Teológica Universitária de Cali, Pablo Moreno. “É um perigo quando desagrega os cristãos do terreno da história, do encontro com o sangue dos irmãos e irmãs que sofrem violência e injustiça”, disse. “Mas é uma oportunidade quando move a construção de uma igreja diferente do modelo de igreja transplantado pelos missionários”, enfatizou.

Na avaliação final, os participantes reconheceram a importância da conferência e aprovaram planos para um terceiro encontro em 2008. “Precisamos do alento e da visão que estes encontros nos trazem”, disse o secretário executivo da Fraternidade de Igrejas Batistas de Cuba, Osvaldo Pérez, que organizou o evento.

Fonte: ALC