O papa Bento XVI afirmou hoje que a Igreja pode manter contato com as autoridades, desde que não se dediquem à vida política.

O pontífice fez a declaração durante a audiência com cerca de 300 fiéis da Igreja Católica Greco-Melquita, presente em grande parte do Oriente Médio, que se encontravam em peregrinação na cidade de Roma.

“Ao cumprir sua missão no contexto agitado e às vezes dramático do Oriente Médio, a Igreja se encontra em situações onde a política faz um papel que não é seu”, disse o papa.

Para Bento XVI, “é importante manter contato com as autoridades, instituições e diversos partidos”, mas afirmou que “não é função dos sacerdotes se dedicar à vida política. Isso é dever dos leigos”.

Segundo o papa, a missão dos católicos no Oriente Médio é propor “a luz do Evangelho” para que todos se comprometam a servir o bem comum.

O pontífice afirmou que o compromisso da Igreja Melquita é “buscar sinceramente com os muçulmanos a compreensão mútua e defesa conjunta da justiça social, de valores morais, da paz e da liberdade”.

Por outro lado, Bento XVI reiterou que “a busca da unidade de todos os discípulos de Jesus é uma obrigação urgente” e que “é preciso fazer todo o possível para derrubar os muros de divisão e desconfiança”.

Fonte: EFE