O presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), cardeal Angelo Bagnasco, voltou nesta segunda-feira a condenar os casos de padres pedófilos e assegurou que vigiará para que não voltem a ocorrer.

“A opinião pública e as famílias têm que saber que nós faremos de tudo para merecer sempre a confiança que geralmente nos dão, inclusive dos pais não católicos. Não economizaremos cuidados, controles e medidas, levaremos em conta qualquer sinal ou dúvida. Não renunciaremos, com todo o zelo, a nossa função educativa”, disse Bagnasco à assembleia geral dos prelados italianos.

O cardeal dedicou a maior parte de seu discurso aos escândalos de pedofilia e voltou a expressar sua “amargura e raiva” pelos abusos de religiosos a menores.

Bagnasco expressou sua solidariedade com as vítimas “desses crimes odiosos” e disse que, embora eles possam se tratar de uma patologia, “são, seguramente, um pecado aterrorizante”.

“Uma pessoa que abusa de menores precisa da Justiça, do cuidado e da graça, mas o perdão do pecado não sana automaticamente a doença, nem substitui a Justiça”, acrescentou o cardeal.

O presidente da CEI destacou que o papa Bento 16 é “intransigente com qualquer sujeira” (na Igreja) e defende “a transparência e a limpeza”.

“Dele, a Igreja aprendeu e aprende a não ter medo da verdade, mesmo quando ela for dolorosa e odiosa, a não calar ou ocultar”, disse Bagnasco, que acrescentou que os ocorridos não significam que a Igreja tenha que sofrer “um descrédito generalizado”.

Fonte: Folha Online