Se os avanços econômicos e sociais obtidos nos últimos cinco anos se mantiverem, o Brasil pode erradicar a pobreza extrema em 2016, segundo estudo realizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) -fundação ligada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Entre 2003 e 2008, o país experimentou o seu mais rápido ritmo de redução da carência. A chamada pobreza extrema, categoria na qual se enquadram indivíduos que ganham até um quarto de salário mínimo por mês (atualmente, R$ 127,50), caiu 2,1% ao ano, enquanto a pobreza absoluta, que engloba pessoas que recebem até meio salário mínimo (R$ 255), recuou a uma taxa de 3,1% ao ano. A desigualdade de renda diminuiu 0,7% ao ano.

Nesse passo, pelas estimativas do Ipea, a parcela da população considerada miserável -na qual ainda há quem morra de fome- passaria dos 10,5% observados em 2008 para praticamente zero. A faixa dos bastante necessitados diminuiria de 28,8% para 4%. “São índices comparáveis aos das nações ricas, que já resolveram esse problema na primeira metade do século passado”, disse Marcio Pochmann, presidente do instituto de pesquisa.

No entanto, ponderam analistas, é arriscado imaginar que os progressos e as condições favoráveis vividos recentemente pelo Brasil vão se repetir com a mesma intensidade daqui para a frente. “As condições que propiciaram esse forte desenvolvimento foram excepcionais, não dá para assegurar que se reproduzirão”, afirma Samir Cury, professor da FGV (Fundação Getulio Vargas) e especialista em desigualdade.

Entre tais fatores, destacam-se o crescimento econômico, a estabilidade monetária e as políticas públicas, tanto as realizações nas áreas de saúde e educação quanto os programas assistenciais de distribuição de renda. Mas já não existe uma massa tão grande de pobres que precisem do apoio do Bolsa Família, por exemplo, para que a concessão do benefício produza, sobre a diminuição da carestia, um efeito semelhante ao que teve até o ano passado, de acordo com os especialistas.
Nem a elevação do PIB (Produto Interno Bruto) é garantia de melhora para os que se encontram na base da pirâmide social, já que a geração de riqueza é distribuída desproporcionalmente, o que o mesmo levantamento do Ipea indica. “É mais fácil combater a pobreza do que a desigualdade”, disse Pochmann.

Na sua gestão, o instituto afastou economistas considerados não alinhados com as ideias do governo e mudou de foco, passando a se dedicar mais a pesquisas de planejamento de médio e longo prazo.

Ações

Para acelerar a eliminação da pobreza e o estreitamento do abismo social, Pochmann defende a coordenação de políticas entre a administração federal, os Estados e municípios e a reforma tributária. “Quem mais reclama no país é quem é menos atingido: a camada mais alta, que sabe o que está desembolsando porque paga impostos sobre propriedade, como o de veículos e o de imóveis”, comentou. Considerando as taxas que incidem sobre produtos consumidos, as famílias com rendimento de até dois salários mínimos comprometem 48,9% do orçamento com tributos.

Fonte: Folha de São Paulo