Jack Phillips está sendo processado desde 2012 pelo casal Charlie Craig e David Mullins, porque se recusou a fazer um bolo para o casamento destes.

Um site no modelo ‘crowdfunding’ (doações online) foi criado para ajudar o designer de bolos, Jack Phillips, que na semana passada recebeu a sentença do Tribunal de Apelações do Colorado, informado que ele não poderá mais recusar-se a fazer bolos para casamentos entre pessoas do mesmo sexo, se ele quiser continuar com sua confeitaria. O site também observa que Phillips explicou que não se recusa apenas a fazer bolos para casamentos gays, mas qualquer outro que faça referência a representações contrárias à sua fé cristã, como com o rosto de Hitler, desenhos pornográficos ou sobre o Dia das Bruxas, por exemplo.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×300/top/smart/media.guiame.com.br/archives/2015/08/18/2423802202-jack-phillips.jpg[/img]”Como indicado em sumários judiciais, por 20 anos, Jack se recusou a fazer bolos de Halloween, bolos, bolos pornográficos profanos, etc. Ele também não faz bolos com desenhos de Hitler, com menções à ku klux klan (entidade racista) ou qualquer coisa desse tipo, caso seja solicitado”, a diz o texto da campanha.

A página estabeleceu uma meta de 200.000 dólares em apoio a Phillips, notando que o dinheiro será usado pelo proprietário da Masterpiece Cakeshop e sua família para “lutar por sua liberdade de religião e liberdade de expressão”.

O tribunal de apelações manteve duas decisões anteriores na semana passada, que considerou Phillips culpado de discriminação contra um casal homossexual, o qual encomendou um bolo para o seu casmento na confeitaria, em 2012.

Phillips disse que, devido às suas crenças religiosas e por entender que o casamento é apenas entre um homem e uma mulher, ele não pode atende-los com um bolo, mas se ofereceu para ajuda-los com outros itens de sua loja.

[b]Intolerância[/b]

O texto da página ainda diz que Phillips foi assediado por diversas vezes, desde aquele incidente, com telefonemas em sua padaria receber, trazendo “as mais vis e detestáveis” mensagens, tanto sobre ele como sobre sua fé.

“Os telefonemas foram muito vis. Jack não permitiu que os empregados atendessem o telefone durante semanas. Em um dos dias, uma pessoa telefonou para a confeitaria e ameaçou Jack de morte, bem como qualquer outro funcionário da padaria”, informou.

[b]Decisão judicial[/b]

O tribunal do estado do Colorado decidiu que Phillips não pode usar suas crenças religiosas ou direitos de liberdade de expressão para se recusar a fazer tais bolos.

O padeiro parou de fazer bolos de casamento desde o ano passado, o que o site da campanha citou como um prejuízo significativo.

“Estes ataques têm a intenção de deixa Jack fora circuito comercial. Para evitar futuros assédios e ações judiciais e por causa da decisão, ele optou por seguir uma lei que tira sua liberdade de expressão e liberdade de religião e parou de fazer bolos de casamento (em qualquer perfil), enquanto o seu caso está em andamento nos tribunais. A receita de Jack caiu em cerca de 40% desde que ele parou de fazer bolos para casamentos”, relatou o texto.

A União pelas Linberdades Civis Americanas do Colorado – grupo de advogados que representa casal gay Charlie Craig e David Mullins – disse que o caso é um exemplo de que todos os americanos têm que ser tratados da mesma forma.

Já a Aliança em Defesa da Liberdade – grupo que representa Phillips – alegou que se trata de uma “liberdade americana”, poder recusar-se a usar seus talentos artísticos, caso isto implique em promover uma mensagem da qual o cidadão discorda.

[b]Fonte: Guia-me[/b]