No pleito de 2010 eram 18 postulantes que tentavam uma vaga, sendo 15 para deputado estadual e três para deputado federal.

O número de candidatos que são ligados a igrejas cresceu 55% em Minas Gerais, nos últimos quatro anos. No pleito de 2010 eram 18 postulantes que tentavam uma vaga, sendo 15 para deputado estadual e três para deputado federal. Para as eleições de 2014, são 11 candidatos a deputado estadual, 16 concorrendo a uma cadeira para a Câmara Federal e um concorrente que disputa a primeira suplência do Senado, totalizando 28 postulantes em Minas.

O levantamento realizado por O TEMPO com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) considerou candidatos que usam, no nome que aparecerá na urna eletrônica, referências explícitas a religiões, como pastor, pastora, bispo, bispa, apóstolo e padre. Ao todo, são 1.894 candidatos no Estado que concorrem aos cargos de governador, senador e deputados estadual e federal em 2014, sendo que os candidatos que exploram a fé no nome de urna equivalem a 1,47% desse total. Há quatro anos, esse índice era de 1%, ou seja, eram 1.790 candidatos ao todo, e os candidatos da fé, 18 postulantes.

Miquéias de Souza (PTC) é um veterano em disputas eleitorais, e sempre utilizando o nome pastor nas urnas. Morador de Contagem, já concorreu ao pleito para vereador e deputado federal e estadual, mas nunca venceu.

Pastor Miquéias era da Assembleia de Deus e atualmente está na Comunidade da União Mundial Vitória em Cristo, que, segundo ele, congrega 40 igrejas evangélicas e protestantes da região metropolitana de Belo Horizonte. O pastor, que há 25 anos recebeu o título, disse que tem muita fé em que, desta vez, vai vencer a eleição para deputado estadual em Minas.

Já Pastor Rodrigo Henrique (PSC) é estreante e espera ser eleito pelos fiéis da Assembleia de Deus de Betim, onde se localiza a igreja que frequenta. Pastor Rodrigo Henrique disse que acredita em milagres e espera ser eleito deputado estadual para exigir o cumprimento do Estatuto do Idoso.

De acordo com mapeamento realizado em todo o Brasil, o número de candidatos abertamente evangélicos na disputa eleitoral cresceu 45% em quatro anos no país. No pleito de 2010, eram 226 postulantes, e neste ano eles somam 328. Houve ainda um aumento na participação desses candidatos no total de postulantes. Em 2010, eles representavam 1% do total, e em 2014 são 1,29%.

[b]Fonte: O Tempo[/b]