O apóstolo Estevam Hernandes e a bispa Sônia não devem ser ouvidos no processo que investiga a causa do desabamento do teto da Igreja Renascer em Cristo, na Avenida Lins de Vasconcelos, no Cambuci, zona sul de São Paulo.

O delegado Dejar Gomes Neto, responsável pelo caso na 1ª Seccional, disse que vai dar preferência ao depoimento de Geraldo Tenuta, o bispo Gê, que comanda a igreja enquanto o casal está proibido pela Justiça americana de deixar os Estados Unidos.

– Em princípio, não há necessidade de ouvir os dois. Veja bem, um depoimento por carta rogatória, quando a pessoa se encontra em outro país, não acontece em menos de seis meses. Vou dar preferência para ouvir o presidente da igreja. Já emitimos um ofício à Câmara dos Deputados pedindo a apresentação dele, que é deputado federal – disse Gomes Neto.

O teto da igreja desabou no dia 18 de janeiro. Nove pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas. Até agora, 80 pessoas foram ouvidas no inquérito da polícia. O teor dos depoimentos está sendo mantido sob sigilo. Estão sendo ouvidas, além das vítimas, moradores da região e líderes da igreja Renascer. O laudo do Instituto de Criminalística (IC) sobre as causas do acidente deve ficar pronto somente no início de março.

A associação de moradores quer que o local do acidente seja transformado em um memorial às vítimas. Eles prepararam um abaixo-assinado para que o terreno seja desapropriado. A meta é conseguir a assinatura de 5 mil pessoas, em 2 meses. Gilberto Amatuzzi, presidente da Associação de Preservação do Cambuci e Vila Deodoro, disse que o local não é adequado para a instalação de uma igreja. Amatuzzi afirmou que encaminhou há dez anos denúncia ao Ministério Público sobre a falta de estrutura da igreja no Cambuci.

Na última quarta-feira, depois de um vento forte na região, pelo menos duas telhas de zinco que ficam nos fundos do prédio caíram sobre as casas. Os moradores disseram que ouviram dos funcionários da empresa Diez, que faz a demolição, a informação de que o prédio não será totalmente demolido. Segundo eles, a Renascer não iria desmontar a parede dos fundos da igreja, que fica atrás do palco, para reconstruir o templo nos mesmos moldes do anterior.

Fonte: O Globo