Numa medida sem precedentes na história moderna do México, a Catedral Metropolitana de Cidade do México decidiu, no último domingo, fechar as suas portas até que o governo federal e o governo da capital garantam a segurança dos fiéis e dos sacerdotes no templo sede primaz do México.

A decisão foi tomada pelo presidente do Colégio de advogados Católicos do México e procurador legal da Catedral Metropolitana, Armando Martínez, após os problemas causados por simpatizantes do candidato derrotado nas eleições presidenciais de 2006, Andrés Manuel López Obrador.

Durante a celebração eucarística do meio-dia de domingo, mais de cem simpatizantes de López Obrador invadiram a igreja, ameaçando os fiéis, os sacerdotes e o próprio cardeal Norberto Rivera Carrera, que não se encontrava no local.

“São atos de terror que não devemos permitir, sobretudo porque ameaçam a segurança dos fiéis”, explicou Martínez, que anunciou que apresentará uma denúncia pelo ocorrido na Procuradoria Geral da República.

Fonte: Rádio Vaticano