O regente do Tribunal da Penitenciaria Apostólica, ao qual compete o julgamento das matérias de “foro interno”, veio a público reafirmar a incompatibilidade entre a pertença à Maçonaria e a profissão da fé católica.

Dom Gianfranco Girotti disse, em declarações à Rádio Vaticano, que o juízo da Igreja a respeito desta matéria não se alterou. O último documento oficial de referência é a “Declaração sobre a Maçonaria”, assinada pelo então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Joseph Ratzinger, em 26 de novembro de 1983.

O texto afirma que “permanece imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçônicas, pois seus princípios sempre foram considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e, por isso, permanece proibida a inscrição nelas”. “Os fiéis que pertencem às associações maçônicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da sagrada Comunhão.”

O regente do Tribunal da Penitenciaria Apostólica lembrou que “a Igreja sempre criticou as concepções e a filosofia da Maçonaria, considerando-as incompatíveis com a fé católica”.

Dom Girotti fez referência às declarações de alguns sacerdotes que, publicamente se declaram membros da maçonaria, e pediu a intervenção de seus diretos superiores, sem excluir que a Santa Sé “possa vir a tomar medidas de caráter canônico”.

Fonte: Rádio Vaticano