Segundo levantamento feito pelo jornal JC, a Câmara municipal de Bauru tem oito parlamentares católicos, cinco evangélicos (sendo um deles batista e outro presbiteriano) e dois espíritas. Um vereador declarou que não segue nenhuma religião específica.

No dia de participar das celebrações de Corpus Christi, data em que os fiéis lembram da importância do sacramento da Eucaristia e reafirmam sua fé, a maioria dos vereadores de Bauru tem atividade a cumprir. É que levantamento realizado pelo JC revela que a Câmara possui oito parlamentares católicos, cinco evangélicos (sendo um deles batista e outro presbiteriano) e dois espíritas. Um vereador declarou que não segue nenhuma religião específica.

“O dia de hoje é muito importante, festivo e representativo para os cristãos. Além também de ser uma data para reflexão”, afirma o vereador Fabiano Mariano (PDT), que integra a lista dos católicos na Casa, composta ainda por Carlinhos do PS (PP), Marcelo Borges (PSDB), Fábio Manfrinato (DEM), José Carlos Batata (PT), Gilberto dos Santos (PSDB), Fernando Mantovani (PSDB) e Renato Purini (PMDB).

Na opinião dos vereadores, a pluralidade de crenças religiosas é benéfica para o exercício da democracia no parlamento. “Acho muito importante essa manifestação de termos várias religiões porque somos representantes do povo e o povo de Bauru é assim também, pluralista”, afirma Moisés Rossi (PPS), que declarou-se espírita, assim como José Roberto Segalla (DEM).

Segundo Mantovani, sua orientação religiosa sugere respeito e a tolerância entre as demais manifestações. Tanto que o parlamentar é o autor da lei que instituiu, no calendário oficial do município, o Dia da Comunidade Umbandista, comemorado em 15 de novembro. “Freqüento a Igreja Católica, já fui coroinha e quase me tornei padre. Acho a pluralidade fantástica, pois todos têm o direito de se manifestar como quiser”, afirma o vereador, que ministra palestra em diversas pastorais de Bauru.

Os evangélicos também devem se manifestar nesta quinta-feira. De acordo com o Pastor Luiz Carlos Barbosa (PTB), presidente do Legislativo, os ritos seguem normalmente no dia de hoje nas igrejas. “Temos de respeitar todas as religiões. Vivemos numa democracia e num Estado laico. Além disso, a própria Constituição Federal garante isso”, diz o parlamentar, que pertence à Igreja Universal do Reino de Deus.

Os também evangélicos Roberval Sakai (PP) e Natalino da Silva (PV) freqüentam, respectivamente, a Assembléia de Deus Missionária, no bairro Nova Esperança, e a Igreja do Avivamento Bíblico, na Vila São Paulo, respectivamente. Já Amarildo de Oliveira (PPS) é presbiteriano. O vereador Roque Ferreira (PT) afirmou que não professa nenhuma religião.

Fonte: JC Net