Bandeira da China
Bandeira da China

Um padre da província de Henan, na China, afirma ter recebido uma notificação das autoridades municipais que solicitam às igrejas na província para coletar estatísticas sobre os membros de suas congregações, especialmente os de famílias pobres.

Mas ele está se recusando a cooperar com medo de que qualquer pessoa citada no registro possa ser impedida de receber subsídios do Estado como punição por praticar sua fé.

“Isso é totalmente irracional. Suspeito que sua agenda secreta pode ser cancelar os subsídios de baixa renda das pessoas”, disse o homem, que não quis dar seu nome por medo de represálias do Estado.

A China criou uma trégua com o Vaticano nos últimos anos, apesar de o país comunista ser oficialmente ateu. Os dados do Instituto Pew sugerem que a China tem uma população de 10 milhões de católicos, com 10% concentrados em Henan, considerado o berço da civilização chinesa.

“Agora só temos que esperar a equipe de inspeção vir e ver o que eles dizem antes de determinarmos nosso próximo passo”, acrescentou o clérigo, um padre de igreja aberta que serve na Diocese de Luoyang, na cidade de Sanmenxia.

Ele expressou preocupação sobre o que o governo estava planejando fazer com esses dados, parte de um “projeto especial” recém-lançado. Embora o governo afirme que o aviso visa melhorar a maneira como as igrejas e outros locais são administrados, o padre disse que provavelmente seria um pretexto para restringir e reprimir a atividade religiosa na província.

Ele disse que as autoridades locais visitaram sua igreja em 1º de julho e entregaram a ele uma circular intitulada “Special Office Emergency Notice” (Aviso de Emergência do Gabinete Especial), ordenando que o clero seguisse as instruções nele estabelecidas.

O aviso continha cinco pontos, incluindo um determinando que o número e os antecedentes dos fiéis de todas as crenças fossem documentados e informados às autoridades até as 18h do dia 4 de julho.

Os líderes religiosos também foram instruídos a informar as autoridades locais sobre quaisquer menores que ingressassem em locais religiosos.

Listas de clérigos também devem ser penduradas nas paróquias para que os funcionários possam confirmar quem têm as permissões necessárias para pregar no púlpito, disse o anúncio.

Um terceiro ponto diz que a bandeira chinesa deve estar em exposição permanente em locais religiosos e o hino nacional cantado em cada culto, disse o padre.

Os outros dois pontos dizem respeito a manter os prelados atualizados sobre os novos regulamentos revisados ​​referentes aos assuntos religiosos, e fornecer estatísticas para melhorar os arquivos da cidade e da vila, disse o sacerdote da igreja.

Funcionários do gabinete especial farão visitas sem aviso prévio às igrejas na província como e quando julgarem adequado para garantir que estão cumprindo as novas regras, advertiu o aviso. As investigações serão realizadas para garantir que todos os distritos cooperem, afirmou.

O padre disse que os locais religiosos estavam sendo fortemente examinados e aqueles sem permissão fechados. Mesmo aqueles com as credenciais corretas foram avisados ​​de que serão punidos se admitirem menores ou membros do Partido, disse ele.

Outro padre da Diocese de Anyang, na província, disse que recebeu o mesmo aviso.
Esforços para suprimir a religião em Henan se intensificaram este ano. Desde o Ano Novo Chinês, em meados de fevereiro, surgiram relatos sobre a proibição da publicação de dísticos católicos e a tomada de igrejas e jardins de infância administrados por igrejas.

Em 24 de abril, quadros da cidade de Diandian, no condado de Shangcai, enviaram dois funcionários para selar as principais entradas da Igreja Católica de Gadazhang, na diocese de Zhumadian.

Uma fonte disse à UCANews.com, que o oficial disse à igreja que o fechamento era a política do Partido Comunista. O pároco encarregado da igreja estava registrado no governo, mas a igreja não estava.

A fonte disse que o governo não permitirá que a igreja se registre ou abra e que as autoridades provavelmente não confiscariam a igreja, mas o clero não poderá retornar por algum tempo.

A fonte condenou “uma aplicação tão brutal” e disse que o governo local havia espezinhado e minado as políticas do estado sobre religião.

Depois que os regulamentos revisados da China sobre assuntos religiosos foram aplicados em 1º de fevereiro, os menores foram proibidos de entrar em locais de culto. Desde então, os carros da polícia estão estacionados fora das igrejas todos os domingos.

Na Diocese de Anyang, avisos foram postados e oficiais estacionados fora das igrejas para impedir que menores entrassem aos domingos.

Em 8 de abril, a Associação Patriótica Católica Henan e a Comissão de Administração Católica, emitiram uma circular declarando que nenhum local para atividades religiosas deveria realizar sessões de treinamento e que nenhuma criança deveria ser levada à igreja pelos pais.

“Foi apenas propaganda e educação antes, mas agora há uma linha vermelha, uma linha de alta pressão, que deve ser levada a sério”, disse a circular, alertando que os locais poderiam ser fechados se as regras fossem quebradas.

As autoridades de Henan também expulsaram sacerdotes clandestinos de suas dioceses, demoliram à força a lápide do bispo Li Hongye, que foi nomeado pelo Vaticano, mas não reconhecido pela Associação Patriótica Católica Chinesa do governo, e confiscou a propriedade de comunidades clandestinas abertas.

Fonte: UCA News