Crianças incas passavam por um processo de engorda em seu ano final de vida antes de serem sacrificadas para os deuses, de acordo com pesquisadores britânicos.

Cientistas da Universidade de Bradford analisaram o cabelo da múmia de uma menina de 15 anos da antiga civilização sul-americana e descobriram que a sua alimentação mudou bastante no último ano de vida.

Ela passou de uma dieta de batata e outros vegetais para milho e carne, que eram alimentos da elite inca.

“A amostra de cabelo é a coisa mais próxima de um diário escrito que essas múmias nos deixaram”, disse Andrew Wilson, pesquisador da universidade britânica. “Em seus tecidos elas nos contam como foram os meses finais de vida.” Escavações mostram que as vítimas de sacrifícios eram drogadas e abandonadas para morrer. Os incas, dominados pelos conquistadores espanhóis há mais de 500 anos, tinham uma civilização sofisticada, mas os pesquisadores não esperavam esse grau de preparação para um ritual de morte de crianças.

Os incas habitavam a região hoje ocupada principalmente por Equador e Peru.

Fonte: BBC Brasil