Cinco militantes islâmicos supostamente envolvidos em atentados à bomba contra cristãos na província de Sulawesi Central da Indonésia estão sendo julgados esta semana.

Os homens foram acusados com base nas leis de anti-terrorismo do país.

Segundo os promotores, os ataques incluíram o assassinato de um pastor, a decapitação de três estudantes cristãs em Poso, distrito de Sulawesi, e um ataque à bomba em um mercado que matou uma pessoa que passava pelo local.

De acordo com a lei de anti-terrorismo da Indonésia, os acusados podem ser condenados à morte.

Poso foi tomada por uma violência entre muçulmanos e cristãos entre 1998 e 2001. Nesse período, pelo menos 2 mil pessoas morreram.

Um acordo de paz foi assinado em 2001 e desde então a violência é esporádica. Por isso a acusação por esses ataques foi considerada rara.

Os cinco acusados que estavam presos no início deste ano estão sendo julgados em quatro audiências separadas em um tribunal ao sul Jacarta.

Acusados

O grupo inclui Muhammad Basri e Adrin Djanatu, supostamente os líderes de um grupo local ligados ao Jemaah Islamiah (JI), uma rede militante regional.

Atribui-se ao JI o ataque à bomba de 2002 em Bali que matou mais de 200 pessoas. E diversos outros na Indonésia.

O promotor-público Narendra Jadnya disse durante a audiência no tribunal de Basri que os ataques envolvendo os acusados nos últimos três anos tinham como objetivo interferir no número crescente de cristãos na região.

Ore por justiça neste julgamento e para que os cristãos testemunhem durante este tempo de perseguição.

Fonte: Portas Abertas