O número de padres no País passou de 12 mil para 18 mil em cinco anos, segundo o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Reginaldo Lima.

– Há cinco anos, tínhamos 12 mil e hoje, 18 mil. Embora as pessoas digam que a Igreja esteja vazia, os jovens estão mais comprometidos. Atualmente, todas as igrejas estão lotadas. As pessoas têm um compromisso maior de fé do que antes – disse.

O Brasil tem 9.730 paróquias. Somente o município de São Paulo tem mais de 200 e Curitiba (PR), mais de 100. E existem outros municípios que não têm uma paróquia. Neste caso, padres de outras cidades os atendem.

– Hoje, os candidatos chegam mais amadurecidos, em relação à idade e à experiência de vida. Antes, entravam adolescentes. Hoje, são jovens que têm por volta de 18, 19 anos, e concluíram pelo menos o ensino médio. Antes, iam pela questão da tradição religiosa e, hoje, acreditamos que é mais por vocação.

Segundo o padre, os jovens que hoje vão para os seminários já pertencem a grupos de movimentos católicos, como Pastoral da Juventude e Renovação Carismática.

– São jovens com experiência de fé.

Para Lima, – desde 2000 há uma crescente na busca do transcender. Toda a humanidade se voltou muito mais para o sagrado, para o divino, para o eterno. As pessoas estão em busca de respostas e procuram uma religião. Quem tem tradição no cristianismo, busca dentro do cristianismo. E outros que não tem, buscam outras manifestações.

Panorama mundial

Lima disse que o número de padres tem aumentado muito na África.

– Na Oceania, estabilizou. Na Europa diminuiu, mas porque diminuiu o número de jovens. A Europa é um continente envelhecido.

Casamento

Lima afirmou que a questão do casamento para os padres não é discutida entre eles.

– Internamente, não se discute. Essa é uma preocupação dos padres que deixaram o ministério e se arrependeram e querem cutucar a Igreja.

Abusos sexuais

O padre afirmou que a questão de abusos sexuais contra crianças também faz parte das discussões dos religiosos.

– Como nos deparamos com situações dessa natureza, buscamos dar orientação e conduzir a questão com cuidado.

Lima afirmou que, quando um padre se envolve com pedofilia, a medida adotada pela Igreja é recolhê-lo para que ele possa se tratar.

– Um padre é uma pessoa pública. Estatisticamente, o número de pais que abusam dos filhos é maior, mas isso não vem à tona. Então, o padre que manifesta essa dificuldade, tem de passar por um tratamento prioritário. E isso é de responsabilidade da Igreja.

O assessor da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada disse que a CNBB não tem dados de casos de abusos cometidos pelos padres porque cada diocese tem autonomia para tratar do assunto.

– O que nos chega é o que vem pela mídia. O bispo não pode ficar expondo o padre. É um trabalho cauteloso e de respeito. É uma pessoa que espira cuidados.

Fonte: JB Online