Enquanto o governo de Pequim pede a construção de uma “sociedade harmoniosa”, a Associação Católica Patriótica (ACP) decidiu declarar guerra contra as relações entre a China e a Santa Sé.

A agência de notícias AsiaNews recebeu informações de suas fontes em Pequim, de que membros do governo, líderes da ACP e membros do PC chinês estão preocupados com a expectativa que a prometida carta do papa despertou nos fiéis, e que deverá ser enviada na próxima Páscoa.

Indiscrições à parte, esta será a primeira vez que um pontífice afrontará o tema da unidade da Igreja na China, as relações com o governo de Pequim e com a ACP. As relações entre a Igreja de Roma e a Associação Católica Patriótica são, na verdade, o verdadeiro obstáculo para o restabelecimento das relações diplomáticas entre o gigante asiático e a Santa Sé.

Fonte: Rádio Vaticano