Desde ontem, segunda-feira, ao surgir a primeira estrela da noite, a comunidade judaica celebra o começo do Ano Novo judeu 5769 (Rosh Hashaná), cujos festejos se estenderão até o Dia do Perdão, (Iom Kippur), em 8 de outubro.

A festa tem tradições arraigadas na história. Dentre os costumes da celebração está o de comer maçã com mel, cujo significado é adoçar o ano novo, e o toque do Shofar (corno de carneiro), cujo som inicia este período de vivência espiritual.

O rabino argentino Sergio Bergman, em entrevista à Agência Judia de Notícias, disse que espera uma maior convocação nos templos e cerimônias para as festas deste ano. “Há um crescimento da participação das pessoas nas celebrações religiosas”, explicou Bergman horas antes do início do Rosh Hashaná. “Esse crescimento se dá de maneira sustentada em todas as expressões da comunidade (judaica)”, assegurou.

O rabino da comunidade portenha de Bet El, Daniel Goldman, afirmou que “há muita busca espiritual” neste ano de “muita exasperação”.

Em Israel, a polícia elevou ao máximo o nível de alerta para prevenir ataques e atentados durante as datas comemorativas, depois que os serviços de segurança receberam advertências concretas e dezenas de ameaças por parte de organizações terroristas.

Fonte: ALC