Dez pessoas morreram e 144 ficaram feridas no confronto armado neste sábado entre cristãos e muçulmanos, no Cairo.

Ao menos dez pessoas morreram e 144 ficaram feridas –várias delas em estado grave– no confronto armado registrado na noite de sábado entre cristãos e muçulmanos no bairro cairota de Imbaba, no Cairo, informaram fontes oficiais, segundo as quais a calma retornou a essa região da capital.

O incidente aconteceu quando grupos de muçulmanos atacaram a igreja de Mar Mina ao crer que os cristãos mantinham presa ali uma mulher que tinha se convertido ao Islã para se casar com um jovem desse credo.

Fontes médicas e oficiais citadas pela agência oficial Mena indicaram que o número de mortos chegava nas últimas horas a nove, depois que três pessoas que tinham ficado gravemente feridas morreram.

Seis das vítimas são muçulmanas e três cristãs coptas.

Em declarações à televisão, Ali Abdel Rahman, governador da província de Giza, que inclui amplos setores do Grande Cairo e onde se encontra Imbaba, disse que o Exército e a polícia tinham conseguido devolver a calma a esse bairro.

Segundo a televisão pública, as declarações que algumas das testemunhas fizeram tornam impossível estabelecer quem começou o confronto e de onde procediam os disparos. Também foram lançados coquetéis molotov.

Os muçulmanos agressores pertencem à corrente dos salafis, uma das mais rigorosas do Islã e que a cada dia está ganhando mais terreno no Egito.

Os cristãos egípcios, majoritariamente coptas, representam 10% da população do país, calculada em cerca de 75 milhões de habitantes.

Periodicamente há incidentes armados entre cristãos e muçulmanos no Egito por razões religiosas, especialmente no sul do país, embora começam a ser mais frequentes nesta capital.

[b]Fonte: Folha Online[/b]