A Coreia do Norte divulgou nesta segunda-feira imagens em vídeo de um pastor canadense confessando a uma congregação de Pyongyang que cometeu crimes contra o Estado.

Hyeon Soo Lim, da Igreja Presbiteriana Coreana Leve de Toronto, no Canadá, que conta com 3 mil fieis, viajou à Coreia do Norte em janeiro deste ano para uma visita humanitária de rotina e está detido desde fevereiro.

[img align=left width=300]http://s2.reutersmedia.net/resources/r/?m=02&d=20150803&t=2&i=1069134446&w=&fh=&fw=&ll=192&pl=155&r=LYNXNPEB720PF[/img]Vestido com um terno azul escuro e se dirigindo a uma pequena congregação, que incluía alguns estrangeiros residentes em Pyongyang, Lim, nascido na Coreia do Sul, falava como quem lê um roteiro.

“O pior crime que cometi foi difamar e insultar asperamente a dignidade maior e o sistema da República”, disse Hyeon aos fieis da Igreja Pongsu, de acordo com o vídeo publicado no site de propaganda semi-oficial Uriminzokkiri.

A Igreja Pongsu é uma das quatro administradas pelo Estado na capital de um país que defende a liberdade de culto, mas na prática a proíbe.

Na semana passada, o pastor de 60 anos apareceu diante da mídia em Pyongyang, quando também confessou crimes com o objetivo de depor o Estado, afirmou a agência de notícias estatal norte-coreana.

[b]Fonte: Reuters[/b]