Uma corte federal confirmou na semana passada a decisão de uma instância inferior contra a distribuição de Bíblias a estudantes da escola primária em um distrito ao sul de Missouri.

Três juízes do 8° Tribunal de Apelação dos EUA apoiaram a decisão proferida no ano passado por um juiz de primeira instância que deu ordem preliminar (mandado) para suspender “a distribuição de Bíblias a crianças do ensino fundamental da escola RI, no distrito de Annapolis, a qualquer hora do dia”.

“Nós rejeitamos a contestação de que essa proibição preliminar é inválida com base no seu conteúdo”, disse o tribunal.

A sentença também afirma que a distribuição de Bíblias pelos Gideões Internacionais levanta uma preocupação, uma vez que a partir disso deveria também ser permitido a outros grupos a distribuição de folhetos religiosos bem como o convite de representantes ecumênicos de diferentes credos para as cerimônias de formatura.

Durante anos, os Gideões Internacionais deram Bíblias de bolso a alunos do quinto ano em salas de aula, durante o recreio e na saída da escola RI.

Embora os pais de alguns estudantes tenham levantado preocupações sobre a distribuição de Bíblias, em 2005, o conselho diretor da escola votou naquele ano, por 4 votos a 3, a continuidade da entrega.

Em 2006 de fevereiro, a Associação União Civil pela Liberdade (ACLU, sigla em inglês) registrou uma queixa em nome de quatro casais de pais, para que o distrito interrompesse “o endosso religioso”.

“Todos os quatro casais de pais são cristãos”, disse Tony Rothert, diretor legal do escritório de ACLU em St. Louis.

“Eles não querem que a escola fale aos filhos deles as convicções religiosas que eles deveriam ter”, disse Tony. “Eles acreditam que isso deveria ser feito em casa com a família.”

Tony disse ainda que o ACLU estava pedindo ao tribunal do distrito para emitir uma proibição permanente contra o programa de distribuição de Bíblias.

Fonte: Portas Abertas