A senhora Shuang Shuying, de 77 anos, mãe do ativista de igreja não registrada Hua Huiqi, foi condenada a dois anos de prisão pela corte popular do distrito de Chongwen, Pequim, no dia 26 de fevereiro de 2007, acusada de danificar propriedade pública e privada intencionalmente.

O corte levou apenas uma hora para ouvir o caso e rapidamente emitiu o veredicto. Uma vez que a data do julgamento estava marcada para o primeiro dia útil depois das comemorações do Ano Novo chinês, seu advogado não conseguiu obter qualquer evidência pra defendê-la.

Ela foi presa quando se dirigia ao escritório do distrito de Chongwen em busca de informações sobre seu filho, o pastor Hua Huiqi, que estava preso desde 26 de janeiro. Ele é um cristão ligado à igreja não registrada em Pequim. Ele tem trabalhado com entusiasmo, servindo o ministério e dando assistência a muitos cristãos perseguidos e camponeses oprimidos.

O governo de Pequim vinha buscando uma oportunidade para se vingar dessa família pelo seu apoio ativo aos oprimidos.

“Estamos chocados com a injustiça feita a essa senhora cristã”, disse Bob Fu, que já trabalhou com Hua Huiqi. “Isso representa um novo golpe na chamada lei na China, especificamente na cidade que hospedará os jogos olímpicos de 2008”.

Fonte: Portas Abertas