Um jovem da minoria étnica “hroi”, que se recusou a negar sua fé cristã, morreu em decorrência dos ferimentos sofridos durante um interrogatório oficial.

A causa da morte foi confirmada no dia 22 de junho pelo presidente do Vietnã, Nguyen Minh Triet, em visita a George W. Bush, em Washington.

Vin Y Het morreu no dia 20 de abril, deixando a esposa grávida e dois filhos pequenos. Ele tinha por volta de 20 anos.

A conversão de Vin aconteceu em setembro de 2006. Pouco tempo depois, oficiais do governo local da província de Phu Yen o intimaram a comparecer a seu escritório e a assinar um documento negando sua fé.

Vin se recusou a assinar o termo em que negaria Jesus e foi severamente espancado. Horas depois, foi abandonado na rua com o rosto inchado e diversas escoriações. Ele morreu em conseqüência de uma hemorragia interna.

O jovem rapaz contou o que lhe acontecera ao reverendo Dinh Thong, pastor da igreja de Tuy Hoa City, na província de Phu Yen, e líder dos representantes da Igreja Evangélica Vietnamita, reconhecida legalmente.

O reverendo escreveu uma carta às autoridades locais descrevendo o abuso sofrido pelo jovem cristão e exigindo uma investigação. Ao tomarem conhecimento do caso, os investigadores o acusaram de falso testemunho.

Governo sofre pressão

Antes da histórica visita entre os dois presidentes, Nguyen se encontrou com líderes evangélicos na embaixada do Vietnã em Washington DC, no dia 21 de junho, e ouviu diversas críticas sobre a perseguição religiosa no país e a violação aos direitos humanos.

“Foi uma rara oportunidade, sem precedentes, para os evangélicos exporem a situação ao presidente do Vietnã”, disse Mike Benge, que trabalhou no socorro aos vietnamitas durante a guerra com os Estados Unidos.

Fonte: Portas Abertas