“Convertam-se ao islã dentro de 10 dias e fechem todas as igrejas do país”. Esse ultimato foi entregue em uma carta ameaçadora, que fundamentalistas muçulmanos enviaram para comunidades cristãs em Charsadda e Mardan, no norte do Paquistão.

Se as ordens não forem obedecidas, “todos os cristãos serão executados”.

A carta foi enviada no dia 7 de maio às igrejas locais, que imediatamente procuraram a polícia. Feroz Shah, inspetor do distrito de Charsadda, disse que investigou o caso. Para ele, isso é uma “brincadeira” e por isso “não há necessidade de efetuar prisões”. Ele acrescentou ainda que os cristãos “estão seguros e bem protegidos” na região.

Antonhy Lobo, bispo de Islamabad-Rawalpindi, não compartilha do mesmo ponto de vista do inspetor. Ele declarou: “Essa carta não é uma brincadeira, mas uma ameaça que precisa ser levada a sério. A comunidade cristã do Paquistão está muito assustada. Já apelamos a esferas superiores do poder no país pedindo ajuda e continuaremos a fazer isso”.

O bispo disse que era importante “entender que, mesmo brincadeiras, dirigidas a minorias, podem se tornar realidade. Mesmo que essa carta seja obra de um louco, é possível que ele venha a cometer alguma atrocidade contra os cristãos”.

Antonhy Lobo acrescentou: “Agora precisamos orar, mas não podemos ficar nisso. Já protestamos contra essa situação de medo e incerteza e continuaremos fazê-lo. Enquanto isso, apelo para que o mundo nos ajude nessa perigosa luta contra o fundamentalismo.”

Fonte: Portas Abertas