Um canal de TV via satélite iraquiano mostrou a libertação dos professores e estudantes de uma escola e faculdade cristã na tarde de sexta-feira, dia 22, dois dias depois de terem sido seqüestrados no Iraque.

Eles estavam a caminho da Universidade de Mosul, onde fariam exames, quando foram surpreendidos por uma caravana de carros com extremistas islâmicos. Os terroristas leram uma lista de nomes e ordenaram que aquelas pessoas os seguissem.

De acordo com a Ashtar TV, dois professores universitários e seis estudantes da vila de Qaraqosh foram soltos após o pagamento de resgate.

“Recebemos boas notícias sobre a libertação dos oito e estamos todos muito felizes”, disse um padre de Qaraqosh ao Compass. Ele pediu para que os nomes deles não fossem divulgados por motivos de segurança.

“Primeiro, eles foram seqüestrados por dinheiro e depois por serem cristãos”, disse um padre. “Isso porque as minorias estão vulneráveis”, justificou.

O padre disse que os cristãos foram torturados durante os dois dias em que estiveram no cativeiro.

Uma fonte local contou que o seqüestro aconteceu em Hail Musena, próximo a um posto policial, e que as autoridades não puderam fazer nada.

Solução diante do perigo

Os cristãos de Qaraqosh têm adotado soluções criativas para conter a insegurança crescente.

Alguns líderes católicos sírios organizaram um posto de observação, com a ajuda de voluntários, para garantir a própria segurança.

Cerca de 1200 homens patrulham a vila de Qaraqosh em turnos de seis em seis horas.

Homens armados checam as entradas e saídas da vila e algumas vezes acompanham os visitantes estrangeiros em suas visitas pessoais.

A vila de Qaraqosh, na planície de Nínive, vem recebendo muitos refugiados cristãos que antes moravam em Bagdá, no bairro de Dora. A população que era de 29 mil em 2003 pulou para 35 mil pessoas.

Fonte: Portas Abertas