A polícia de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, ouviu o curandeiro e empresário Jorge Roberto de Oliveira Rodrigues, 40 anos. Ele teria garantido às autoridades que vendeu e aplicou uma substância que contém veneno de sapo em Ademir Tavares, 52 anos, morto supostamente em decorrência de uma reação adversa ao produto.

De acordo com o delegado do 1º Distrito Policial da cidade, Vicente Lagioto, no último sábado, a vítima foi com o filho, Luis Gustavo Tavares, 25 anos, no curandeiro. Os dois e mais quatro pessoas receberam a aplicação, mas só Tavares sofreu a reação adversa.

Em depoimento, o filho de Tavares afirmou que a substância, chamada de kambô, foi aplicado no braço, como um emplasto, segundo informações da polícia.

A substância teria vindo do Norte do Brasil. Segundo a polícia, o curandeiro disse que pagou R$ 50 por cada porção do produto, com garantia de dez aplicações. Ele pode ser indiciado por exercício irregular de medicina ou criime ambiental.

Fonte: Terra