Há apenas um ano e meio no ar, os investimentos iniciais chegam a ser surpreendentes. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, no bairro de Jacarepaguá, o espaço físico das instalações ocupam uma área de treze mil metros quadrados.

Atualmente, uma das principais reclamações da opinião pública em relação à mídia em geral diz respeito a banalização dos costumes morais da sociedade. No entanto, mesmo com as críticas, principalmente proveniente de famílias que zelam pelos valores cristãos, não há como negar que programas de sexo, sensualidade, intriga e violência são realmente capazes de gerar lucros astronômicos em receitas publicitárias.

Nessa situação capitalista, onde a corrida pelo lucro é capaz de atropelar a ética e o respeito, fica complicado para a família cristã achar uma programação televisiva que realmente preserve os valores genuínos do evangelho e que, ao mesmo tempo, possua idéias criativas, inteligentes e modernas. É justamente esta enorme lacuna aberta que a jovem emissora CVC busca ocupar. Há apenas um ano e meio no ar, os investimentos iniciais chegam a ser surpreendentes. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, no bairro de Jacarepaguá, o espaço físico das instalações ocupam uma área de treze mil metros quadrados.

São três estúdios para produção e exibição de programas com equipamentos de captação externa em formato óptico Sony XDCAM, tapeless, servidores digitais de áudio e vídeo para a produção, recepção e exibição de materiais em qualquer formato. De acordo com as informações descritas no site da emissora, a missão da empreitada é preservar valores cristãos e levar para a família informação, educação e diversão isenta de violência e indecência, “que se tornaram lugar comum na televisão e solapam a boa formação dos telespectadores”.

Transmissão e programação

Para saber um pouco mais sobre esta novidade que cresce a cada dia, o portal Elnet entrevistou o diretor-executivo da CVC, Álvaro B. Cruz. Ele explica que o sinal da emissora já está disponível em todo o Brasil via satélite e que a transmissão por UHF encontra-se em franca expansão. Além disso, Cruz adiantou que até mesmo negociações com operadoras de TV por assinatura, como a NET e SKY, estão em andamento.

“Via satélite temos sinal para o Brasil inteiro e também para o exterior. Em UHF, estamos presentes em 89 canais espalhados por todo o Brasil. No Rio de Janeiro, mais uma antena está em fase de instalação, que irá transmitir a programação pelo canal 42, direcionado para baixada fluminense e uma parte da Zona Oesta da cidade, como Santa Cruz, Bangu, Realengo, entre outros. Além disso, estamos negociando o nosso sinal com operadoras de TV por assinatura como SKY + DirecTV e NET. Com certeza, há boas surpresas para o público evangélico”, afirma.

Alvaro B. Cruz descreve a CVC como um novo conceito em televisão justamente pelo ineditismo da iniciativa. “De fato, somos a primeira emissora brasileira evangélica 24 horas no ar. Por isso mesmo, nós costumamos dizer que trata-se de um novo conceito de televisão. É uma TV totalmente atualizada. Ela não tem por missão específica a conversão de pessoas, mas sim impactar vidas. E o que é isso? Ela é totalmente interdenominacional, não pertence a nenhuma igreja, tem caráter privado e quer alcançar o grande público com uma programação que respeita os valores cristãos”, acrescenta.

Alguns programas da CVC já estão ganhando destaque até mesmo na mídia secular. Segundo Cruz, o jornal O Globo tem acompanhado e elogiado os roteiros que vão ao ar. “Nós já contamos com uma programação ao vivo e diária, além de desenhos, filmes e outros programas gravados. Para as crianças tem a Turma do Lug, que é um palhaço acompanhado pela sua turminha. Para as mulheres tem o Espaço Feminino; aos jovens, um programa que tem recebido muitos elogios é o Antenado na Geral, que recentemente foi descrito pelo jornal O Globo por exibir um conteúdo de qualidade para jovens. Outro dedicado à formadores de opinião é o Cabeça Pra Cima, que é um Talk Show onde entrevistamos ícones da sociedade atual”, descreve.

Informação e música

Outro segmento que o diretor Álvaro B. Cruz fez questão de ressaltar são os programas dedicados à música gospel, como o Sonorus e o Fábrica do Som. “Temos ainda dois programas dedicados aos louvores. O Sonorus é focado na exibição de um cantor ou ministério já consagrado pelo público, como a Fernanda Brum, Eyshila, Quatro por Um, entre outros. Outro também direcionado para música é o Fábrica do Som, que possui um espaço aberto para bandas e cantores que ainda estão iniciando seus ministérios”.

O investimento em jornalismo também não ficou esquecido. Cruz anuncia que a criação de uma Central de Produção Jornalística já está em andamento. “Nós estamos iniciando agora um processo de implementação da nossa central de jornalismo. Já possuímos jornalistas trabalhando nisso e vamos começar, em breve, um programa de notícias. Ainda dentro do jornalismo, estamos estudando a produção de documentários sobre missões e outros temas para elaborarmos grandes reportagens. Nós estamos investindo muito para que o jornalismo também venha a ser um sucesso”, anuncia.

Por fim, Álvaro B. Cruz frisou que a CVC não irá veicular nada que contrarie os princípios evangélicos. “Nós não vamos veicular jamais valores que não sejam cristãos, como violência ou sexo. Nem mesmo anunciantes de cerveja, enfim, qualquer produto que não convenha com a verdadeira vida cristã. É uma TV comprometida com o evangelho de Jesus Cristo”, finaliza.

Fonte: Elnet