O deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB) justificou há pouco o voto contrário ao projeto de lei do colega Professor Rinaldo (PSDB) que cria o Dia do Pastor Evangélico em Mato Grosso do Sul.

Ele explicou que foi contrário ao projeto de lei por coerência e por defender um Estado laico, ou seja, que não tem uma religião definida.

Segundo o parlamentar, na primeira votação, ele e outros oito deputados votaram contra a criação do Dia do Pastor, enquanto na segunda apenas ele votou contra por coerência. “Eu apenas mantive a minha posição, que é a de um Estado laico e que não deve privilegiar nenhuma religião”, disse.

O parlamentar refere-se a nota publicada na coluna Bastidores, intitulada “Solitário”, em que ele apare como o único a votar contra o projeto de lei que cria o Dia do Pastor Evangélico. A nota sugere que o deputado não precisaria dos votos dos evangélicos.

Fonte: Mídia Max News