O polêmico pastor norte-americano Terry Jones (foto) queria queimar os exemplares do Corão por causa do aniversário dos ataques do 11 de setembro.

Terry Jones, 61 anos, foi detido na cidade de Mulberry, perto de Tampa, na Florida, (sudeste dos EUA), acusado de transporte ilegal de combustível e de posse de uma arma de fogo, de acordo com o jornal Orlando Sentinel.

O pastor norte-americano foi detido quando seguia ao volante de uma pickup, que puxava um atrelado, com uma grande churrasqueira de barbecue cheio de cópias do Corão embebidas em querosene.

De acordo com a página na Internet de Terry Jones, o pastor planejava atear fogo a 2.998 exemplares do Corão na quarta-feira, número correspondente ao total das vítimas dos atentados do 11 de setembro de 2001 nos EUA, realizados pela rede terrorista al-Qaida..

Terry Jones foi detido junto com um outro pastor, Marvin Sapp, minutos antes da hora prevista da queima dos livros, refere o mesmo jornal.

Pastor de uma congregação na Florida, Jones ameaçou em 2010 incendiar cópias do Corão, desencadeando uma onda de indignação generalizada nos Estados Unidos e no exterior, antes de renunciar ao plano.

Em 2011, no entanto, a sua congregação queimou efetivamente o livro sagrado dos muçulmanos e no ano seguinte promoveu um filme que ridicularizava o profeta Maomé.

Os três incidentes geraram uma onda de violência no Oriente Médio e no Afeganistão.

Em novembro do ano passado, um tribunal do Cairo condenou à revelia o pastor norte-americano Terry Jones à pena de morte, e mais sete cristãos egípcios, pelo envolvimento no filme que ridicularizava o profeta Maomé.

O filme, no qual Maomé é retratado como um louco e um pedófilo, desencadeou a fúria dos muçulmanos em todo o mundo.

Na mesma época, na Líbia, islâmicos mataram o embaixador norte-americano Chris Stevens num ataque contra o consulado dos Estados Unidos em Benghazi.

[b]Fonte: RTP – Portugal[/b]