Membros da CPT (Comissão Pastoral da Terra) da Bahia confirmaram neste sábado que d. Luiz Flávio Cappio, 61, vai manter sua greve de fome, em protesto contra a obra de transposição das águas do rio São Francisco.

Cappio está em greve há quase 20 dias e afirma que somente retoma a alimentação quando a obra for paralisada definitivamente.

Ontem, o representante do papa Bento 16 no Brasil, núncio apostólico d. Lorenzo Baldisseri, enviou carta em que pede ao bispo que termine o quanto antes a greve de fome. “Ele comentou que era importante a nunciatura ter feito essa colocação, mas que ele mantém a greve de fome”, afirmou Samuel Britto, membro da CPT da Bahia.

Baldisseri repete o gesto de 2005, em que também pedia a greve de fome, o primeiro protesto dessa natureza feito por Dom Cappio.

O comando da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) divulgou na quinta-feira nota em que convoca todos os cristãos a se “unirem em jejum e oração” ao bispo de Barra (BA). A nota foi divulgada após encontro de bispos da CNBB com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em que ficou claro que não haveria a paralisação das obras e que o protesto do bispo era um problema exclusivo da Igreja Católica.

Na terça-feira, o TRF-1 (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região suspendeu liminarmente as obras de transposição do rio São Francisco. Ontem, a AGU (Advocacia Geral da União) entrou com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a suspensão.

Fonte: Folha Online