A crise que tem abalado toda a economia brasileira nos últimos anos chegou às convenções evangélicas. No Tocantins, a Convenção Batista do Tocantins teve que tomar uma série de medidas drásticas para enfrentar a queda de receitas que obteve nos últimos meses, entre elas, a demissão de funcionários, redução da carga horário de trabalho e até trabalho home office para economizar água, energia e telefone.

[img align=left width=400]http://www.jmnoticia.com.br/wp-content/uploads/2016/12/CONVEN%C3%87%C3%83O-BATISTA-TOCANTINS.jpg[/img]Durante reunião do Conselho de Planejamento da Convenção que aconteceu nos dias nos dias 01, 02 e 03 de dezembro na sede da Convenção, foi deliberado que o Seminário Teológico Batista do Tocantins tome medidas no sentido de receber débitos pendentes de alunos e ex-alunos do STBT, inclusive por meio de negociações e protestos de dívidas, efetue a dispensa do Coordenador do Seminário de Gurupi e que o Coordenador do Seminário de Palmas assuma os dois campus.

O Conselho determinou também na ocasião, que as viagens do secretário Executivo da Convenção e membros da Diretoria sejam reduzidas, que seja estudado a possibilidade de funcionamento de apenas um Pólo do seminário da Convenção.

Pastor Milton Gomes da Silva, um dos membros da Diretoria da Convenção afirmou ao JM Notícia que as medidas tomadas nesse momento são para adequar a realidade em que passa o país.

Segundo ele, a convenção está orientando os pastores de todo o Tocantins a reduzirem despesas em todos os sentidos e citou a realização de congressos:

“Se formos realizar um congresso e formos trazer pregadores de São Paulo, Rio de Janeiro, o custo será altíssimo, então, estamos orientando a utilizarmos a prata da casa, temos que nos adequar a realidade do país”, disse Milton Gomes.

Pastor Milton Gomes afirmou que as atividades serão geridas normalmente, mas que a palavra no momento é redução de custos.

[b]Fonte: JM Notícia[/b]