O jornalismo da Sat-7, uma emissora de televisão egípcia, que é administrada pela mídia cristã, teve seus estúdios pesquisados pelos Diretores do Departamento de Censura do Egito. Equipamentos foram confiscados, incluindo câmeras e computadores usados para edição, e o diretor ficou detido durante seis horas. Ele já está solto, mas responde por quatro acusações relacionadas a exploração de canal de televisão via satélite, sem as licenças necessárias.

A organização considera as acusações sem fundamento, porque a SAT-7 faz parte de uma unidade de produções e não é um centro de transmissão via satélite. Mesmo assim, o caso vai para o tribunal. Enquanto isso, os equipamentos confiscados permanecerão sob custódia da polícia e as atividades da SAT-7 ficarão suspensas.?

Um analista de perseguição comenta: “O Egito não é mais governado por um islâmico da irmandade muçulmana e isso significa que os cristãos e as suas organizações não devem mais ser vítimas de discriminação. Mas, infelizmente, a discriminação é algo que já está profundamente enraizada na cultura egípcia e o cristianismo continua a ser visto de forma negativa”.

O trabalho da emissora é realizado com o apoio de islâmicos convertidos ao cristianismo e seus serviços são a favor de todas as denominações da igreja no Egito. Apesar dos desafios, a equipe permanece encorajada através do apoio que têm recebido da maioria dos cristãos, ao longo de uma semana tão difícil. O diretor pede as orações de todos para que possa completar o seu ministério que tem o objetivo de servir aos cristãos egípcios.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]