Lembrando a introdução do pluralismo religioso no Brasil, a 3ª. Conferência Brasileira de Comunicação Eclesial, agendada para 17 e 18 de novembro, na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), enfocará o tema “Os 200 anos da chegada da família real ao Brasil e da imprensa brasileira: Comunicação e diversidade religiosa”.

Em 1808, o Rio de Janeiro, capital do Império, hospedou a família real portuguesa, que deixou a Europa às vésperas da invasão francesa por Napoleão Bonaparte em Portugal e transferiu a corte para além-mar. Nação amiga da Inglaterra, Portugal não acatou a ordem de Napoleão de fechar os portos aos ingleses.

Também em 1808, por influência inglesa, a coroa portuguesa acabou com a exclusividade da religião católica no Brasil. Denominações protestantes passaram a ser aceitas oficialmente no país, embora, no início, não podiam ter templos com torres e sinos.

A diversidade religiosa estará na pauta do Eclesiocom, que pela primeira vez será realizado numa universidade pública. “Esperamos alcançar pesquisadores que não conseguimos até aqui, com a nova localização do evento”, disse a coordenadora científica do Eclesiocom, professora Ana Claudia Braun Endo.

O Eclesiocom abre interfaces entre comunicação e religião. Na atualidade, existem poucas iniciativas acadêmicas no Brasil focadas neste tema. “O evento é único no país a discutir as relações e as interfaces entre comunicação e religião, envolvendo pesquisadores de iniciação científica, mestrado, doutorado de diversas áreas. A divergência de olhares e a variedade de pesquisas produzidas são riquezas deste encontro”, afirmou Ana.

Organizam o Eclesiocom a Cátedra Unesco/Metodista de Comunicação para o Desenvolvimento Regional e a Escola de Comunicação da UFRJ.

Fonte: ALC