O 15º Estudo Shell sobre a juventude alemã, divulgado esta semana, concluiu que a maioria dos entrevistados valoriza a educação, deseja constituir uma família e considera importante o engajamento em atividades sociais.

Segundo o estudo, 72% dos jovens acreditam que só podem ser felizes num ambiente familiar.

Ainda segundo a pesquisa, os jovens alemães são determinados e voltados para a conquista dos seus objetivos. O estudo mostrou ainda que os jovens estão hoje menos decepcionados com a política do que há quatro anos e rejeitam os partidos extremistas. O interesse pela política aumentou de 34% para 39% de 2002, ano do estudo anterior, para 2006.

Ao mesmo tempo, os entrevistados se revelaram extremamente pessimistas, afirmando ter medo do desemprego, de crises econômicas e da pobreza. Dos entrevistados, 69% disseram temer não conseguir um bom emprego.

O estudo mostrou ainda que 74% dos jovens cujos pais concluíram os estudos secundários também chegam a esse nível educacional. No caso dos jovens cujos pais não concluíram os estudos secundários, o percentual cai para 24%. As meninas valorizam mais os estudos do que os garotos: 55% delas pretendem chegar ao final do nível secundário, ante 47% dos meninos.

Os jovens revelaram pouco interesse pela religião, mas declararam que os valores morais são importantes. Para 65% dos entrevistados, a Igreja não apresenta respostas às suas questões.

O estudo patrocinado pela empresa Shell é considerado o mais importante sobre a juventude na Alemanha e é realizado a cada quatro anos. Os pesquisadores ouviram mais de 2,5 mil jovens entre 12 e 25 anos.

Fonte: DW World