A cidadã evangélica Carmen Azparrent, presa no dia 29 de fevereiro, continua detida no presídio de Santa Mônica, em condições carcerárias extremas, por suposto delito de terrorismo.

Após participar de encontro organizado pela Coordenadoria Continental Bolivariana, realizado em Quito, Equador, Azparrent foi detida na cidade nordestina de Tumbes junto com seus acompanhantes. Eles foram acusados de manterem vínculos com grupos terroristas.

Azparrent está presa sob a categoria de alta periculosidade. Ela recebe somente visitas de seus familiares mais próximos e compartilha a cela com integrantes do movimento terrorista Sendero Luminoso, responsável pelo assassinato de seu pai, o prefeito de Ayacucho, Fermín Azparrent, em 1989.

Em decorrência do rígido regime carcerário em que se encontra, Azparrent contraiu vários problemas graves de saúde. Representantes da Igreja Metodista e do Conselho Nacional Evangélico do Peru, a Associação Paz e Esperança e a Associação Pró Direitos Humanos coordenam uma série de ações em defesa da evangélica injustamente detida.

Além de solicitar sua liberdade, esses organismos enviarão pedidos ao Instituto Nacional Penitenciário e ao Ministério da Justiça para que melhorem as condições carcerárias, enquanto ela permanecer presa. Além disso, solicitarão à Defensoria do Povo uma ação mais efetiva na defesa dos direitos de Azparrent, que é membro da Igreja Metodista.

Fonte: ALC