Em sua obra, o terapeuta fala sobre como ajudar os filhos a restaurarem a sua sexualidade.

O psiquiatra e ex-gay, Richard Cohen, lançou recentemente um livro no qual fala sobre “10 possíveis causas da homossexualidade nos filhos”, e aborda sua visão de como enfrentar em família a homossexualidade.

[img align=left width=300]http://i0.wp.com/noticias.gospelmais.com.br/files/2014/06/ex-gay-richard-cohen.jpg?fit=200%2C220[/img]Intitulado “Filhos gays, pais heterossexuais”, o livro de Cohen defende que o homossexual não escolheu tal sexualidade, mas que não se trata de ter nascido homossexual, mas sim uma atração desenvolvida por fatores externos, como os ambientais e familiares.

– O jovem não escolheu essa atração pelo mesmo sexo e se sente rejeitado por algo que não escolheu. Não digo que tenham nascido assim, porque cientificamente está demonstrado que não se nasce gay, mas sempre existem fatores ambientais, familiares ou de temperamento que fazem que uma pessoa desenvolva essa atração – afirma ao psiquiatra, em declarações dadas ao Grupo ACI.

Cohem estaca ainda que ao abordar o homossexualismo, a aceitação e o combate à homofobia, amor e sinceridade andam lado a lado. O terapeuta explica que o amor é capaz de tratar de traumas e estabelecer vínculos.

– Explico no meu livro que amar estas pessoas sem as compreender é algo superficial e a verdade sem amor é dura. Por isso, necessitamos de amor para lhes compreender, mas também verdade para lhes ajudar – afirma.

– Sentem-se rejeitados e doídos, e é compreensível. Por isso o que proponho é amá-los, escutá-los e apoiá-los porque suas amizades e suas relações não duram. Por isso nós temos que ser ‘Deus com pele’ para eles, e nos comportar com eles como Jesus e Maria o fariam. Isso é amor na verdade – destaca Richard Cohen.

O psiquiatra revela ainda que já teve a homossexualidade como orientação sexual, mas que atualmente está casado com uma mulher e é pai de quatro filhos. Ele afirma que sua terapia funciona e que já teve pacientes que tinham atração por pessoas do mesmo sexo e hoje são “heterossexuais felizes, casados e com filhos”.

Porém, ele destaca que sabe “o que é a perseguição e a discriminação”, e pede “à comunidade homossexual o mesmo respeito que eles pedem que se tenha com o seu ponto de vista”.

Sobre a terapia que aplica em seus pacientes que desejam mudar sua orientação sexual, ele destaca a fé em Deus como fator importante para o processo de “cura”, e destaca que homens e mulheres são biologicamente desenhados um para o outro.

– É uma questão biológica, os homens e as mulheres estão desenhados uns para os outros. A verdade é a verdade, podemos fazer as leis que quisermos, mas a realidade é que os homens e as mulheres estão desenhados uns para os outros – afirma.

[b]Fonte: Gospel +[/b]