O ex-mordomo de Bento XVI e um funcionário do Vaticano devem ser julgados por roubar e vazar documentos confidenciais do papa, decidiu o juiz Piero Bonnet nesta segunda-feira.

O indiciamento acusa Paolo Gabriele, o mordomo que está preso desde maio, de roubo agravado. Apesar do Vaticano ter insistido durante a investigação que Gabriele era o único suspeito, o juiz também pediu o julgamento de Claudio Sciarpelletti. Ele era um funcionário secular do gabinete da Secretaria de Estado e é acusado de auxiliar o mordomo.

Gabriele pode pegar até seis anos de prisão, mas a pena depende também de um possível perdão do papa. O Vaticano afirmou que o julgamento deve ocorrer somente depois de setembro.

O escândalo envergonhou o Vaticano ao expor as disputas internas da Igreja, principalmente entre prelados italianos. Após a prisão do mordomo,o Vaticano encontrou documentos e uma copiadora na casa dele, revelação que chocou a Santa Sé e entristeceu o pontífice.

[b]Fonte: Estadão[/b]