Emoção, lágrimas, mas só que, desta feita, de felicidade. Com estes sentimentos, aconteceu na tarde do último sábado, 11, na penitenciária de segurança máxima de Francisco Sá batismo de oito detentos, fruto de trabalho social desenvolvido pela igreja Adventista do 7° dia.

O pastor Ursulino Freitas presidente desta denominação religiosa para o Triângulo Mineiro, Morte de Minas, Belo Horizonte e região metropolitana, destacou, durante sua fala, minutos antes da cerimônia, a importância da pregação do evangelho e a morte de Jesus na cruz do calvário para a salvação de todas as pessoas.

O pastor Fábio Meireles, responsável pelo batismo, enalteceu o trabalho dos membros da igreja em Canabrava, que não medem esforços para estudar a palavra de Deus com os presidiários.

O pastor Fábio Lúcio Renato Dias responsável pela comunicação da igreja Adventista do 7° dia documentou toda a cerimônia por meio de filmagem e repercutirá as imagens no sistema adventista de comunicação.

Experiências

A O NORTE, um dos presos batizados, João Batista Rodrigues Sampaio, revela que sempre foi chamado a fazer parte de um crédulo religioso, entretanto, não acreditava que um dia faria parte de uma igreja.

– Uma experiência importante em minha vida, por mais que demorasse, este é um dia feliz para a mim e de toda a minha família.

Clayton Lopes da Silva também passou pelo batismo, emocionado e com brilho nos olhos frisa que a partir deste momento é uma nova pessoa em Cristo Jesus.

– Deus tem transformado a minha vida. Deus me resgatou das drogas, vícios e do tráfego. O meu testemunho é tremendo. Hoje sou uma nova criatura em Cristo Jesus porque a própria palavra dela diz que quem está nele nova criatura é. Conheci um Deus maravilhoso que me liberta e que me fez uma pessoa mais feliz uma vez que existia um vazio em minha vida – afirma Clayton Lopes da Silva.

Importante

Pedro de Araújo Maia, diretor de segurança da penitenciária de Francisco Sá, revela que o trabalho de evangelização da igreja Adventista do 7° dia é sobremaneira importante, tendo em vista a missão da subsecretaria de administração prisional, é a custódia sempre respeitando a dignidade humana e a ressocialização dos presos que um dia retornarão para a sociedade. Salienta que, dentro da ressocialização dos detentos, a penitenciária possui a escola estadual São Gonçalo, oficinas de trabalho que objetivam a profissionalização e o trabalho de capelaria como o que o ocorre com o incentivo e apoio da subsecretaria de administração prisional.

Fonte:O Norte