Enquanto Dilma faz compromisso de respeitar crenças, Serra apresenta parentes no último programa eleitoral.

Dilma Rousseff evocou o respeito às religiões e à “vida na sua dimensão plena”. José Serra abriu as portas de sua casa para mostrar que é um sujeito “família”.

Seja para evitar fuga de votos -no caso da petista- ou para conquistar novos eleitores -situação do tucano-, no último dia do horário eleitoral gratuito de TV, ontem, os dois principais candidatos à Presidência exploraram temas caros ao brasileiro médio e conservador.

Visando neutralizar boatos sobre a religiosidade de Dilma e sua posição quanto ao aborto, o programa da candidata exibiu falas dela e de Lula com o compromisso de respeitar todos os credos. Também foi dado um recado aos que veem ameaça à liberdade de expressão num eventual governo Dilma.

“Renovo meu compromisso de, se eleita, governar com paz, amor e serenidade. De defender a democracia e a liberdade. De respeitar a fé, as religiões, e as convicções das pessoas. De respeitar a vida na sua dimensão plena”, afirmou a petista.

Lula foi direto ao pedir o voto para a aliada. “Você que acredita em mim e acha bom o meu governo, não tenha dúvida: vote na Dilma. Igual a mim, a Dilma gosta dos pobres, respeita a vida, a paz, a liberdade e as religiões.”

Criador e criatura intercalaram depoimentos gravados em várias cidades do Brasil, para reforçar a ideia de que fazem e farão um governo para todas as regiões do país.
Sem os ataques a Dilma que marcaram quase todo o horário eleitoral, o programa de Serra ontem mostrou a reunião familiar do tucano, além de repetir a exibição de gravação em que ele lê a Bíblia para uma eleitora.

O locutor diz que o candidato “é casado com a Monica há 43 anos. É pai da Verônica e do Luciano. E avô coruja do Antônio, do Francisco e da Gabriela [aí, a neta corre para os braços dele]”.

Monica relata que o marido ajudou a criar os filhos.

O tucano diz que gosta de “música popular antiga”. A filha pede para ele cantar: “Ah, não”. “Canta, vai”. “Eu sou desafinado”. “Você não é, você é muito afinado, você cantava pra gente”. Aí, Serra cantarola uma marchinha de Carnaval.

O programa de Marina Silva (PV) destacou a subida das candidata nas pesquisas. Ela convoca o eleitor para se unir à “onda verde” capaz de levá-la ao segundo turno.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]