Uma mulher que se passa pelo nome de “Hannah” foi colocada sob proteção policial depois de receber ameaças de morte de sua família porque se tornou cristã. Hannah, de 32 anos, é filha de um imã britânico (líder religioso islâmico) em Lancashire.

Desde que se converteu ao cristianismo, há 15 anos, ela foi forçada a mudar de casa 45 vezes para escapar da própria família, segundo reportagem da Time Online.

Quando ela tinha 16 anos, fugiu de casa para se livrar de um casamento arranjado pela família e posteriormente se tornou cristã.
No mês passado ela voltou a receber ameaças mais sérias e a polícia começou a dar-lhe proteção.

Ela discursava à noite, na abertura de Mídia de Lapido, uma entidade de caridade que promove “alfabetização religiosa” em diversos países quando recebeu nova ameaça.

Michael Nazir-Ali, bispo de Rochester que teve de fugir da perseguição religiosa no Paquistão, disse no evento de caridade que muçulmanos que desejam se converter ao cristianismo na Inglaterra vivem com medo por causa das leis de apostasia muçulmanas.

O bispo sustenta que a “liberdade para acreditar” é ameaçada através de atitudes islâmicas contra a conversão. Ele também conclamou a sociedade para dar mais atenção, proteção e compreender o porquê destas pessoas seremmais vulneráveis.

Fuga e conversão

Hannah foi forçada a se esconder depois que a casa dela foi atacada por homens armados com machados, facas e martelos em 1994.

Um dos irmãos dela lhe enviou recentemente uma mensagem de texto que diz que ele não poderia ser responsável pelas ações dele se ela não se convertesse de volta ao islã. Ela hoje dá assistência a igrejas de ex-muçulmanos.

Ela disse: “Eu sei que o Alcorão diz que qualquer um que deixar o Islã deve ser morto como um apóstata e sei que é dessa forma que alguns de minha família estão seguindo o Alcorão. Eles estão seguindo as palavras do Islã, mas eu não acho que todo muçulmano de fato agiria desse modo”.

Um estudo da Política Internacional descobriu no início deste ano que 36% de muçulmanos entre 16 e 24 anos acredita que quem se converter do Islã para outra religião deve ser punido com a morte.

Fonte: Portas Abertas