Bandeira do ativismo gay
Bandeira do ativismo gay

O filósofo e autor cristão Glenn Stanton observou, em artigo publicado no site The Public Discourse, que a América “está farta do ativismo LGBT”. Ele analisa um relatório publicado pela GLAAD, uma das principais entidades nos Estados Unidos que defende os direitos dos homossexuais.

Glenn é diretor de estudos de formação familiar no “Focus on the Family” (ministério cristão global dedicado a ajudar as famílias). Ele debate e palestra sobre questões de gênero, sexualidade e casamento em universidades e igrejas ao redor do mundo.

O documento mostra que as atitudes positivas em relação ao homossexualismo estão caindo nos últimos anos. “A pesquisa deste ano mostra um declínio na aceitação das pessoas em relação às atitudes dos LGBTQ”, diz o relatório.

Segundo Glenn Stanton, a organização tem mostrado preocupação por causa da crescente indiferença das pessoas em relação à comunidade LGBT e suas iniciativas políticas. De acordo com ele, “o apoio às causas homossexuais parece estar diminuindo”. Sarah Kate Ellis é a presidente da GLAAD, ela escreveu a apresentação do documento. “O pêndulo de aceitação abruptamente parou e girou na direção oposta”, comenta no texto.

Glenn ressalta que “os números apresentados sinalizam uma adesão menos apaixonada a comportamentos sexuais alternativos e diferentes identidades de gênero em comparação com os resultados de pesquisas similares nos últimos anos”. Ele ainda diz que a entidade responsável pela pesquisa a reação indiferente das pessoas é motivo de grande preocupação.

Trump seria o culpado?

Glenn ainda observa que muitos ativistas LGBTs podem culpar Trump pelo dado que preocupa a GLAAD. “É o presidente Trump e a suposta atmosfera de ‘intolerância’ que ele trouxe para os Estados Unidos. Mas será isso mesmo?”, questiona.

Glenn Stanton é diretor de estudos de formação familiar no Focus on the Family.

“Pensemos nisso por um momento. Se Trump e seus seguidores realmente pensam que as pessoas gays e lésbicas não pertencem à sociedade educada, eles seriam capazes de mudar a opinião daqueles que apoiaram as posições da GLAAD nos últimos anos? O presidente Trump realmente conseguiu convencer esses antigos apoiadores das causas LGBT de uma vez por todas, mostrando que a adesão a essas bandeiras estava errada? Isso não parece provável. Algo mais deve estar interferindo nesses resultados”, observa.

“Não seriam, talvez, as atitudes LGBT após a aprovação do casamento gay nos Estados Unidos que não caíram bem para a opinião pública americana? Esta não é uma hipótese estranha. Mesmo alguns grandes líderes da comunidade LGBT sugeriram isso”, comenta o filósofo.

Ele continua: “Andrew Sullivan, escrevendo sobre o relatório GLAAD na revista New York, adverte que ninguém ‘parece notar a mudança profunda no tom e na substância do ativismo pela igualdade gay nos últimos anos e a radicalização da ideologia e da retórica do movimento’. Esta radicalização agressiva ‘certamente está tendo um impacto’, ele assegura”.

“Esses cidadãos estão aprendendo, por meio de eventos do dia a dia, que o casamento gay realmente os afeta – ou, pelo menos, afeta pessoas muito próximas a eles. Um grande número de americanos concorda que eles não têm que gostar do casamento gay. Mas, os americanos devem concordar com todas e quaisquer exigências dos poderes LGBT, independentemente de suas crenças religiosas ou morais pessoais, ironizou.

Fonte: Guia-me