O apóstolo Estevam Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo, convocou os fiéis a denunciarem “todo e qualquer estabelecimento, seja bar ou lanchonete, ilegal em seus bairros”. O pedido foi feito, via satélite, durante culto realizado no Club Homs, na Avenida Paulista, às 19h deste domingo (25).

O evento, que costuma durar duas horas, se prolongou até as 21h45.

O pedido do Hernandes é também uma represália ao que o religioso credita ser uma perseguição contra a igreja que comanda. “Estão nos perseguindo. Estamos na legalidade. É um absurdo.”

O Club Homs foi multado novamente pela prefeitura, na tarde deste domingo, por causa da realização de eventos sem autorização. É no local que a Igreja Renascer em Cristo promove cultos após o desabamento da sede, há uma semana. Foram programados para acontecer no clube cinco cultos ao longo deste domingo.

“A prefeitura está colocando um fiscal de plantão neste domingo apenas para multar o Club Homs. Isso porque estamos fazendo o nosso culto nesse clube. Por isso eu peço que vocês denunciem todo estabelecimento comercial que estiver irregular em seu bairro. Denunciem às subprefeituras”, disse Estevam Hernandes, que pediu, em nota, respeito à dor por causa do desabamento.

Denúncia

O bispo afirmou ainda que “90% dos estabelecimentos comerciais e templos religiosos da cidade de São Paulo não têm alvará de funcionamento. O prédio da sede da Renascer, na Avenida Lins de Vasconcelos, tinha licença e alvará de funcionamento. Posso garantir que aquele prédio estava entre os 10% dos estabelecimentos na legalidade em São Paulo.”

A prefeitura informou, por meio de sua assessoria, que não possui levantamento com o número de estabelecimentos irregulares na cidade de São Paulo. A assessoria não soube informar de onde o bispo retirou este percentual.

Antes do culto das 19h, o bispo Geraldo Tenuta, presidente da Renascer, também falou sobre as multas. “Fico triste com a pressão que a imprensa está fazendo com a Renascer e que está provocando prejuízo ao Club Homs. É um clube tradicional e frequentado por pessoas idosas e de bem, que estão se incomodando com essa movimentação”, afirmou.

Multas

De acordo com a assessoria da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, o clube não poderia realizar eventos no local porque foi intimado na sexta-feira (23) a apresentar em cinco dias o alvará de funcionamento. Durante esse período, os eventos ficaram proibidos. Durante vistoria na sexta-feira, a prefeitura multou o clube em R$ 34,5 mil.

Fiscais constataram na noite de sábado (24), no entanto, que um casamento acontecia no local e aplicaram nova multa de R$ 1,8 mil. Funcionários da Subprefeitura de Pinheiros voltaram ao clube nesta tarde e o multaram em outros R$ 1,8 mil pela realização do culto das 15h, ainda segundo a secretaria.

A assessoria do Club Homs disse que só vai se pronunciar após o fim do prazo de cinco dias dado pela prefeitura. Segundo a assessoria da secretaria, os fiscais irão voltar à Avenida Paulista nos outros dois horários programados para o encontro dos fiéis e o clube pode receber novas multas no mesmo valor.

O clube informou que o encontro dos fiéis acontece em um salão com capacidade para 918 pessoas. No culto das 8h, havia 260 fiéis presentes. No encontro das 10h, 674 pessoas foram até o clube e, no das 15h, 445. Nos dois últimos cultos, das 17h e das 19h, o salão ficou lotado. Estevam Hernandes e a mulher dele, a bispa Sônia, moram nos Estados Unidos, onde estão em liberdade condicional.

Demolição
O teto do prédio da Renascer, que desabou no dia 18, causando a morte de nove pessoas, está sendo demolido aos poucos por uma empresa contratada pela igreja. Neste domingo, a parede lateral foi nivelada, segundo a Defesa Civil. “Pagamos R$ 450 mil para a melhor demolidora que existe”, disse Estevam durante o culto deste domingo.

De início, não havia previsão de trabalho neste domingo, mas a continuidade do risco de parte da parede desabar sobre as casas da vila ao lado do imóvel obrigou a empresa a nivelar a estrutura com urgência. Às 11h30, o problema foi resolvido e o serviço do dia estava terminado.

“A parede, agora, está alinhada, mas as casas continuam interditadas”, disse Orlando Rodrigues Camargo Filho, coordenador da Defesa Civil. Para realizar o nivelamento, os funcionários da empresa prenderam um cabo de aço na parede e puxaram a estrutura para dentro. Nenhum destroço caiu sobre as casas.

Imprevistos

A demolição do prédio começou efetivamente no sábado e chegou a ser interrompida ainda no fim da manhã, porque o muro cedeu ainda mais. A empresa contratada para fazer a demolição decidiu, então, amarrar cabos de aço e escorar o muro para dentro do terreno da igreja, como forma de evitar que ele desabasse sobre as casas vizinhas, que estão interditadas desde o dia do acidente.

Os cabos de aço chegaram no meio da tarde. Uma porta de emergência do templo foi derrubada para facilitar a operação de escoramento com os cabos. Antes de o muro ceder pela manhã, funcionários da demolidora chegaram a derrubar parte da construção com a ajuda de marretas, picaretas e até com as mãos.

Reconstrução

Estevam disse que o projeto da nova sede da Igreja Renascer em Cristo já está em execução. “Em pouco tempo voltaremos a realizar nossos cultos na Avenida Lins de Vasconcelos”, disse.

Ele pediu que os fiéis fizessem ofertas de “bom samaritano” e de “corpo ferido” após a realização do culto deste domingo. “Ninguém pode parar a igreja de Jesus Cristo. Se precisar, nós faremos os cultos na rua”, afirmou Estevam.

Fonte: G1