Segundo a agência de noticias Reuters, as duras críticas do Vaticano sobre as ações tomadas pelo governo chinês, a fim de reprimir os fiéis católicos, motivaram uma resposta do governo chinês.

A ministra das Relações Exteriores da China disse na última quinta-feira (19), esperar que o Vaticano reconheça a liberdade religiosa em seu país, depois que o Papa se pronunciou dizendo ao mundo que Pequim faz pressão sobre aqueles que desejam ser fiéis ao Vaticano.

“Esperamos que o Vaticano possa ver mais claramente a liberdade religiosa da China e o contínuo crescimento dos chineses católicos, e crie medidas concretas para o desenvolvimento da relação Sino-Vaticano,” disse a ministra das Relações Internacionais em uma entrevista coletiva.

Os chineses católicos estão divididos entre a igreja que é ligada ao Estado chinês (que tem bispos que não são reconhecidos pelo Vaticano) e outra metade que freqüenta igrejas (que são consideradas clandestinas pelo governo). A China teria forçado muitos bispos e padres fiéis ao papa a comparecerem ao encontro da igreja que é apoiada pelo Estado.

O papa Bento XVI disse que as autoridades comunistas da China estão constantemente pressionando quem deseja ser fiel ao Vaticano e tem esperança de que a Igreja Chinesa consiga sobreviver aos atentados que a dividem de Roma.

Ele pediu que todos os católicos orem pelos fiéis que estão na China, que não estão autorizados a reconhecer a autoridade do Papa e foram forçados a se tornarem membros da Igreja que é apoiada pelo Estado.

“Nós sabemos que entre nossos irmãos bispos, alguns sofrem perseguição e pressão. Através das nossas orações, podemos garantir que a Igreja na China possa continuar unida e santa”, disse o papa dias atrás.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]