O governo pró-Ocidente do Líbano sofreu mais uma derrota ao perder uma cadeira no Parlamento para um candidato da oposição pró-Síria. As eleições parciais realizadas no domingo para as cadeiras de dois deputados assassinados diminuíram a pequena maioria que o governo detém na Casa.

Kamil Khoury, desconhecido cristão maronita, derrotou o candidato governista Amin Gemayel, ex-presidente (1982-1988) e pai de Pierre Gemayel, um dos deputados assassinados. Em Beirute, um sunita aliado do governo venceu o pleito pela outra cadeira com 85% dos votos.

A eleição de Khoury, pelo distrito de Metn, destacou a profunda divisão dentro da minoria cristã libanesa. Khoury, apoiado pelo cristão maronita líder da oposição, Michel Aoun, ganhou de Gemayel, também cristão maronita e um dos líderes da coalizão governista, por 418 votos de vantagem, dos 79 mil votos do distrito.

Aoun, ex-comandante do Exército, é aliado do grupo xiita Hizbollah e candidato às próximas eleições presidenciais. Seu bloco teve a maior parte dos votos cristãos nas eleições gerais de 2005, após Aoun reclamar a liderança da comunidade cristã no país.

Um acordo entre as forças político-religiosas do Líbano determina que o presidente deve ser um cristão maronita, como Aoun e Gemayel. As eleições presidenciais estão previstas para setembro de 2007. O país enfrenta uma profunda crise política, dividido entre o governo anti-Síria, do premiê Fuad Siniora, e a oposição pró-Síria, liderada pelo Hizbollah.

Fonte: Folha de São Paulo