Enfurecidos com um comentário anti-islâmico supostamente feito por um homem portador de deficiência mental, mais de uma dúzia de muçulmanos atacaram uma família cristã, agredindo a irmã do jovem, de 20 anos, que ficou inconsciente e teve sua perna quebrad, no Paquistão.

O pai dos jovens, Aleem Mansoor, disse que sua filha Elishba Aleem ficou inconsciente depois de ser agredida na cabeça com uma barra de ferro. Aleem conta que um muçulmano conhecido como Mogal agrediu a ele e a sua filha com o ferro, na rua em frente ao seu apartamento depois de acusar o filho de Aleem, que sofre de esquizofrenia, de blasfêmia.

“Elishba gritou: ‘Pai, cuidado! Ele vai te bater!’ e se colocou na minha frente. Foi quando o ferro a atingiu. Ela tocou a cabeça, e sua mão ficou coberta de sangue.”

“Assim que ela desmaiou, os agressores começaram a bater nas pernas e nas costas dela. Quando o grupo percebeu que Elishba estava totalmente inconsciente, eles gritaram que ela estava morta e fugiram do local.”

A família tentou ajudar, mas também foram agredidos pelo grupo.

Inicialmente, os agressores atacaram Aleem quando ele tentou sair de casa com seu filho Shumail Aleem, para ir à polícia e esclarecer as acusações de blasfêmia feitas pelo comerciante Muhammad Naveed.

Quando Aleem se aproximou de seu carro, 12 homens com barras de metal e tacos saíram de uma van e o cercaram. Em seguida, muitos outros muçulmanos, inclusive Muhammad e sua família, se juntaram a eles.

“Muhammad gritou: ‘Por que vocês estão olhando para esses choohras (termo pejorativo para cristãos) Matem-nos!’”.

“Os muçulmanos dizem que os cristãos deveriam ser mantidos sob controle.”

A filha de Aleem recebeu tratamento médico no Instituto de Ciências Médicas no Paquistão (PIMS) e logo recuperou a consciência, embora ainda sofra com muitas dores. O grupo muçulmano se certificou de que ela não recebesse nenhum documento que provasse suas condições físicas.

Fonte: Missão Portas Abertas