Enquanto muitos estão comemorando a demissão do presidente egípcio, Hosni Mubarak, alguns grupos de direitos humanos estão sendo mais cautelosos ao receber a notícia.

David J. Kramer, diretor-executivo da Freedom House, elogiou o povo egípcio por sua “notável força e perseverança” durante os últimos 18 dias de protestos anti-governamentais.

“A Freedom House comemora com eles como dar o primeiro passo no caminho para a reforma democrática,” disse ele.

O vice-presidente do Egito, Omar Suleiman, anunciou na sexta-feira a renúncia de Mubarak em um comunicado curto emitido pela televisão estatal. Mohamend El Baradei, o egípcio premiado pelo Prêmio Nobel da Paz, elogiou o momento da história de seu país, dizendo: “Este país tem sido libertado.”

O Organismo de Vigilância de Perseguição Portas Abertas nos EUA, no entanto, foi menos rápido para oferecer suas felicitações ao povo norte-Africano.

Dr. Carl Moeller, Presidente / CEO da Portas Abertas EUA, expressou preocupações com o futuro dos 10 milhões de Cristãos.

“Dado os dados das pesquisas recentes, se uma eleição fosse realizada amanhã, é bastante provável que os extremistas islâmicos tivessem um significativo – se não dominante – papel a desempenhar no novo governo,” disse ele à Mission Network News.

E se isso vier a acontecer, a minoria cristã iria sofrer mais dificuldades do que eles já enfrentaram.

Moeller citou uma recente pesquisa do Pew Research Center, que revelou que 84 por cento dos Muçulmanos no Egito seria a favor da pena de morte para quem deixar a religião muçulmana. Além disso, 95 por cento de Muçulmanos, disse que é bom que o Islã desempenhe um grande papel na política. Notavelmente, a maioria dos Muçulmanos no Egito disseram que não acreditam que há uma luta entre aqueles que querem modernizar seu país e os fundamentalistas islâmicos.

Alguns legisladores conservadores dos EUA expressaram preocupação de que a renúncia presidencial pudesse dar lugar a um estado islâmico radical.

“Temos também de instar a rejeição inequívoca de qualquer envolvimento com a Irmandade Muçulmana e outros extremistas que podem tentar explorar e roubar esses eventos para ganhar poder, oprimir o povo egípcio e fazer mal a relação do Egito com os Estados Unidos, Israel e outros grátis nações,” o deputado republicano Lleana Ros-Lehtinen (Flórida), disse hoje, em resposta às últimas notícias.

O presidente Barack Obama, que estava em uma reunião quando o anúncio foi feito histórico, expressa: “Este não é o fim da transição do Egito. É um começo.”

Ele continuou, “eu tenho certeza que haverá dias difíceis pela frente e muitas perguntas continuam sem resposta. Mas estou confiante que o povo do Egito pode encontrar as respostas e pode fazê-lo pacificamente, de forma construtiva e no espírito de unidade que definiu estas últimas semanas.”

Nos dias que antecederam o anúncio, Obama e a secretária de Estado Hillary Clinton apelou Mubarak, que levou o Egito por 30 anos, para dar passos rumo a uma transição pacífica. Depois de Mubarak anunciar, quinta-feira que, enquanto ele estava delegando o poder ao seu vice-presidente, que ele não estava deixando o cargo, Obama desafiou o presidente egípcio para dizer exatamente como ele planejou responder o chamado de seu povo para um novo governo.

Agora que a posição presidencial do Egito está vaga, Obama está chamando os militares para entregar uma transição “credível” que protege os direitos dos egípcios, levanta a lei de emergência que impõe aos cidadãos os direitos civis, revisa a Constituição do país e culmina em uma eleição de forma aberta e justa.

Mubarak deixou Cairo para sua casa, em Sharm el-Sheik, de acordo com o New York Times. Na declaração de Suleiman, anunciou que o poder será entregue ao Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito.

A maioria dos americanos estão divididos sobre o que este momento significa para os Estados Unidos. Mais de metade dos inquiridos (58 por cento) em uma enquete do Pew Research Center sentem que os protestos que tomaram as ruas e derramaram a redes sociais como o Facebook e o Twitter por 18 dias, terão pouco efeito sobre os Estados Unidos.

Dos 22 por cento dos inquiridos que acreditam que os protestos realizam algum significado para a América, a maioria acredita que seu impacto será negativo.

Líderes religiosos manifestaram a sua incerteza para o futuro do país e estão pedindo oração para os Cristãos que vivem dentro das fronteiras do país.

Clamando por oração, a arma número um durante este período transitório, Moeller disse: “Precisamos lembrar da Igreja. Precisamos lembrar que os Cristãos no Egito enfrentam a ‘frigideira e o fogo.’ “Sua esperança está em Jesus Cristo e na Sua soberania, mas a realidade de nossos irmãos e irmãs no Egito é que eles enfrentam um futuro cada vez mais incerto.”

O Egito é classificado como o No. 19 na lista dos 50 piores perseguidores dos Cristãos do World Watch List da Open Doors 2011.

[b]Fonte: Christian Post[/b]