Organizações que representam os muçulmanos na Holanda criticaram proposta do governo de proibir o uso em público da burqa, véus e qualquer outra vestimenta que cubra a face.

Elas alegam que a proibição, anunciada na sexta-feira, fará com que os cerca de um milhão de muçulmanos do país se sintam vitimizados e alienados, quer sejam favoráveis ao véu ou não.

A principal organização muçulmana da Holanda, CMO, disse que o plano é “uma reação exagerada a um problema muito pequeno”, de acordo com a agência de notícias Associated Press.

A muçulmana Naima Azough, parlamentar do Partido Verde, de oposição, disse que a proibição contraria a tradição de tolerância do país e que o governo holandês está usando os temores causados por extremismo islâmico para conquistar votos nas eleições gerais do dia 22 no país.

“O problema é que não se pode dizer que todas as pessoas usando niqab, hijab ou burqa, seja o nome que for, sejam radicais”, afirmou.

A proposta, formulada pela ministra da Imigração do país, Rita Verdonk, recebeu o apoio do gabinete holandês – mas ainda deve ser aprovada pelo Parlamento.
Segundo a proposta, o uso da burqa seria proibido em ruas, trens, escolas, ônibus e tribunais. O governo afirma que a burqa perturba a ordem pública, os cidadãos e a segurança. Capacetes com visores que obscurecem o rosto também são proibidos.

Verdonk disse que “é muito importante que nós possamos ver uns aos outros e possamos nos comunicar uns com os outros”, afirmando que esse um caminho para promover integração e tolerância.

No final do ano passado, Verdonk afirmou que o governo iria analisar a proposta de proibição depois que a maioria dos integrantes do Parlamento holandês se mostrou favorável a ela.

Estima-se que 6% dos 16 milhões de habitantes da Holanda sejam muçulmanos. Mas muito poucas mulheres muçulmanas no país escolhem usar a burqa.

O relacionamento da Holanda com a comunidade islâmica está sendo reexaminado desde o assassinato do cineasta Theo van Gogh por extremistas muçulmanos em novembro de 2004.

Há cerca de dez dias, o governo italiano anunciou que tem planos de proibir o uso em público de véus islâmicos que cubram o rosto.

Fonte: BBC Brasil