Depois de fechar igrejas na Java Ocidental, sul de Sulawesi, Sumatra, e outras províncias, as organizações islâmicas linha-dura tentam agora impedir o culto cristão em ou perto de shopping centers na Indonésia.

Dezenas de pessoas de organizações islâmicas manifestaram em frente ao shopping Gandaria no sul de Jacarta, em 19 de novembro, em protesto contra o culto de uma igreja sem nome, no centro comercial.

Após uma hora, na presença do chefe de polícia a gestão do shopping falou com os manifestantes, que disseram ser contra os cultos porque não há uma escola corânica nas proximidades.

O chefe do shopping, identificado apenas como Ridwan, negou que houvesse qualquer igreja ou culto ali. Ele disse Poskota que os manifestantes estavam mal informados e já tinha resolvido a questão com eles.

Jeirry Sumampouw, secretário-executivo do departamento de diaconia da Fraternidade de Igrejas da Indonésia (tradução livre), afirma que ninguém tem o direito de proibir o culto em um shopping, já que este é um espaço público e pode ser usado para qualquer finalidade, inclusive para culto.

Bonar Tigor Naipospos, vice-presidente do Instituto Setara de Justiça e Paz (tradução libre) ficou surpreso com a oposição de culto no shopping Gandaria. Eles são espaços públicos onde diversas atividades podem ter lugar, declara.

“Porque é um espaço público, não há relação entre as licenças [de construção] e culto”, acrescenta. “É diferente caso você queira levantar [construção] uma igreja no seu próprio imóvel.”

Naipospos afirma que as igrejas se encontram em shoppings, pois a obtenção de licenças é muito difícil.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]