A igreja evangélica guatemalteca Fraternidade Cristã inaugura neste domingo o maior edifício religioso da América Central.

Após seis anos de construção e um custo de US$ 30 milhões, o complexo arquitetônico Mega Fráter abre suas portas na Ciudad San Cristóbal, um dos subúrbios da Cidade da Guatemala, a capital do país.

O Mega Fráter ocupa uma superfície de 113 mil metros quadrados e seu auditório tem capacidade para um pouco mais de 12,2 mil pessoas.

O conjunto conta com um edifício administrativo, uma torre de estacionamento de sete andares, um heliporto, salas de aula e um centro de convenções com biblioteca, refeitório e salas para reuniões. Os devotos terão acesso até a caixas eletrônicos.

Por sua aparência, o Mega Fráter parece mais um teatro moderno e enorme do que uma igreja tradicional.

A arquitetura se propõe a facilitar a vida dos devotos da congregação. Por exemplo, não há colunas que afetem a visibilidade do palco e houve ênfase especial em garantir boa acústica.

Necessidade de espaço

Trata-se de um projeto antigo do pastor Jorge Humberto López, fundador da Fraternidade Cristã. Segundo disse López à BBC, já em 1991 era evidente que havia uma necessidade maior de espaço para uma congregação em expansão.

A Fraternidade Cristã, fundada por López em 1978, é um igreja neopentecostal que se define como “igreja para a família”.

De origem batista, López queria “uma igreja que deixasse no esquecimento a mentalidade de que um cristão deve ser pobre e sem influência na sociedade”.

A congregação tinha apenas 22 membros em 1978. Atualmente, o número de fiéis supera os 12 mil, segundo estatísticas da igreja.

Para o pastor López, a inauguração do Mega Fráter “é uma demonstração de que um povo, em via de desenvolvimento, quando tem fé, boa administração e visão pode fazer coisas grandes para seu benefício”.

López orgulha-se de dizer que a construção foi paga sem dívidas.

“Uma das coisas que temos aprendido em todos esses anos é que não devemos dever nada a ninguém. Se a igreja não dá o exemplo, como podemos pedir a um pai de família que não se endivide?”, questiona.

O pastor diz que o projeto foi financiado com dízimos e oferendas de seus fiéis e que foram poucas as contribuições de estrangeiros.

A questão do gasto

A construção do Mega Fráter não está imune à polêmica.

Alguns guatemaltecas criticam em sites da internet o que consideram um gasto desnecessário em um país onde mais de 50% da população vivem abaixo de níveis de pobreza.

Por outro lado, alguns residentes da capital expressaram preocupação com o congestionamento de trânsito no bairro onde se encontra o templo.

Contudo, essas declarações parecem se limitar a fóruns e blogs na internet. Não existe um debate público a fundo sobre os prós e contras da construção, que já é um ponto de referência da capital do país.

As obras do pastor Jorge López não parecem terminar com a inauguração do Mega Fráter. A igreja comprou um terreno a cinco quadras do novo templo onde planeja construir uma área de recreação familiar para os fiéis.

Fonte: BBC Brasil